Este sítio é melhor visualizado com Mozilla Firefox (resolução 1024x768/fonte Times New Roman 16)

Roberto Acioli de Oliveira

Arquivos

18 de dez de 2018

O Cinema Francês Durante a Ocupação Nazista

“Num regime como este, monsieur, 
ser  condenado  é  uma  honra!”

 Frase pronunciada  em  Pontcarral (1942),  filme francês
 que  a  tolerância  de  alemães  como  Alfred  Greven,  que
 inclusive   demonstrava    pouco   interesse   em   difundir
 a  mensagem  nazista,  deixava  passar   pela   censura  (1)

Antissemita e Conquistado

É possível afirmar que a invasão da França pelos exércitos de Hitler em 1940 acabou salvando o cinema francês, que não havia se recuperado do golpe sofrido com a chegada do som na tela grande dez anos antes. A falta de investimento significava tornar-se dependente da tecnologia estadunidense ou alemã, e no final da década de 1930 as duas maiores companhias francesas de produção e distribuição (Pathé e Gaumont) estavam tecnicamente falidas. Num dos vários planos elaborados para tentar recuperá-la, os problemas da indústria cinematográfica francesa foram definidos: falta de administração centralizada e organização profissional, ausência de mecanismos adequados de financiamento, taxação excessiva e importações descontroladas. Este panorama do cinema francês traçado por Jill Forbes resume o caos reinante naquele país, que décadas antes havia sido o berço do cinema (2).

“A ocupação alemã é lembrada como a era de ouro do cinema francês, embora a verdade seja mais sutil: dos 220 filmes feitos na França entre junho de 1940 e agosto de 1944, só alguns foram memoráveis, e o mais popular de todos, O Boulevard do Crime (Les Enfants du Paradis), obra-prima de Marcel Carné, foi lançado apenas depois da libertação da França. Contudo, a indústria cinematográfica teve bons motivos para comemorar. Possuía uma plateia cativa, ávida por fugir do aborrecimento da vida cotidiana e mergulhar nos risos e lágrimas da tela (e, no inverno, no calor de um cinema aquecido). Em 1943, o comparecimento aos cinemas chegou a superar em 40 % o de 1938. Um dado importante: os filmes ‘inimigos’, primeiro britânicos, depois americanos, foram banidos, de modo que, exceto pelas fitas alemãs, que poucos frequentadores franceses queriam ver, a competição estrangeira praticamente desapareceu (...)” (3)

Depois de conquistada, a França foi dividida em duas zonas, o norte ficou sob o domínio nazista direito, enquanto o sul foi deixado sob a responsabilidade de um governo colaboracionista, conhecido como França Vichy – até 1943, quando ocuparam tudo. Os alemães adotaram uma política dupla em relação à indústria cinematográfica, ao mesmo tempo para fins de propaganda, mas também satisfazendo a demanda popular. Naturalmente, neste último caso, procurando colonizar o cinema francês para assegurar a dominância do cinema alemão na Europa ocupada. Josef Goebbels, o Ministro da Propaganda de Hitler, acreditava que para destruir a influência cultural francesa na Europa a produção francesa deveria ser mantida meramente local e limitada. Por outro lado, Alfred Greven, ex-diretor de produção dos estúdios da UFA em Berlim, a quem foi dada total responsabilidade sobre o cinema francês, tinha outros planos.

“O controle da indústria como um todo se encontrava sob a responsabilidade de uma seção da Propaganda Staffel chamada Referat Film comandada por um oficial alemão taciturno conhecido pelos franceses apenas como Dr. Dietrich. A unidade encarregava-se de autorizar roteiros, programas de produção, distribuição, equipes de filmagem e atores. Também emitira uma lista de duzentos filmes que não podiam ser exibidos, alguns por serem antigermânicos, outros por serem tão a favor dos nazistas que poderiam provocar a fúria dos franceses. Um alvo óbvio da censura eram todos os filmes feitos por Max Ophüls, diretor judeu nascido na Alemanha que fugira para a França em 1933 e depois buscara refúgio na Suíça (...)” (4)


 Robert Bresson,   Jacques  Becker, 
Henri-Georges   Clouzot  e  Claude
Autant-Lara, estão entre diretores
de  cinema  francês   que   fizeram
seu nome  durante  a  ocupação (5)

O controle de Greven começou com a criação de um império de cinema verticalizado e integrado, com sua produtora Continental Films, sua distribuidora ACE, sua exibidora SOGEC e seus estúdios e laboratórios de revelação Paris-Studio-Cinéma - antes a distribuição e exibição eram dos judeus (6). Greven conseguiu isso através da compra ou investimento de capital nas companhias existentes, a maioria legal - que teriam sido impossíveis sem a expropriação dos judeus e sua fuga. Ao mesmo tempo, Greven contratava todos os franceses que pudesse, garantindo que os produtores independentes sucumbissem ao poder da Continental Films (com 35 salas de cinema, sendo 14 em Paris) (7) para estocar película, construir de cenários, estúdio e eletricidade. No final da guerra, Greven produzia 15% de todos os filmes realizados, empregando cineastas franceses como André Cayatte, Henri-Georges Clouzot e Henri Decoin – Marcel Carné esteve contratado em 1941, mas deu uma desculpa para quebrar o vínculo.


“Quando da entrada na guerra em 1939, o Comissariado Geral de Informação do governo francês proibiu os filmes de guerra, as farsas militares e as obras julgadas imorais ou desmoralizantes para a juventude. Entre elas encontra-se Trágico Amanhecer (Le Jour se Lève, 1939) (que será finalmente liberado depois do corte de um plano onde se vê Arletty nua) e Cais das Sombras (Le Quai des Brumes, 1938). Em 1940, Alfred Greven inclui Marcel Carné na Continental: este último, buscando uma saída, propõe a ele um projeto muito ambicioso, Les Évades de l’An 2000, e acaba desencorajando o produtor. Contudo, em 1944, Carné está numa lista de cineastas suspensos por ter assinado (mesmo sem tê-lo honrado) um contrato com a Continental” (8)
Para Forbes, existem poucas dúvidas de que o empreendedorismo de Greven estimulou o que restava da indústria cinematográfica francesa criando estruturas institucionais e administrativas baseadas no suporte Estado e poderosa organização comercial. Tal contexto possibilitou finalmente a implementação de um plano de salvamento para esta indústria que havia sido proposto desde 1936. Como resultado, durante a ocupação alemã, o cinema francês alcançou um sucesso que já não fazia há muito tempo: nesta curiosa idade de ouro da indústria cinematográfica francesa, a guerra ou, mais exatamente, a derrota na guerra, foi a melhor coisa que poderia ter acontecido. 
Foram estimuladas carreiras de muitos aspirantes a diretor que não conseguiram se estabelecer durante a estagnação da indústria na década de 1930. De fato, a tolerância e até interesse de nazistas como Greven entre outros em relação ao cinema francês desagradou Goebbels. O Ministro desaprovou o não banimento de um filme como Pontcarral (Pontcarral, Colonel del Empire, direção Jean Delannoy, 1942), que continha uma frase que costumava arrancar aplausos da plateia: “Num regime como este, monsieur, ser condenado é uma honra!” Isso incomodava Goebbels, que em seu diário se queixou também de outro filme, Sinfonia Fantástica - A Vida de Hector Berlioz (La Symphonie Fantastique, direção Christian-Jaque, 1942), biografia romanceada do compositor Hector Berlioz:

“‘Estou furioso’, escreveu em 15 de maio de 1942, “pois nosso departamento em Paris está demonstrando aos franceses como retratar o nacionalismo em seus filmes. Dei ordens bem claras para que os franceses produzissem seus próprios filmes, sempre leves, vazios e, se possível, Kitsch. Creio que considerarão isso suficiente. Não há necessidade de desenvolver seu nacionalismo’. Ele não precisava se preocupar. Comédias, dramas, fitas de fantasia, romance e suspense dominavam a filmografia francesa do período (...)” (9)

Embora quase 50 % dos cineastas e atores tivessem deixado a França antes da invasão utilizando convites de Hollywood como álibi (Jean Renoir, Julien Duvivier, Jacques Feyder, René Clair, Louis Jouvet, Charles Boyer, Jean-Pierre Aumont, Jean Gabin e Michèle Morgan), as carreiras de muitos, como Bresson, Becker e Clouzot, Christian-Jaque, Fernandel, Raimu, e muitos outros se beneficiaram das oportunidades. Somente Gabin e Aumont retornariam antes do final da guerra, o primeiro como soldado de divisão blindada que lutou na libertação da França, e o segundo serviu nas forças aliadas na Itália antes de retornar à França (10).


Os  Visitantes  da  Noite, 
foi sucesso de bilheteria em
1942 e exemplo  da  iniciativa
cultural  de  Vichy através  dos
estúdios Victorine em Nice: ao
mesmo tempo  genuinamente
francês e distinto do produto
 padrão  hollywoodiano   (11)


A cena que poderia ser interpretada  como  gesto
 nacionalista:  os  amantes  foram   transformados 
em  pedra  pelo  diabo.  Embora  eles parecessem
 inanimados,   é   possível   ouvir    seus   corações.
 O  diabo  poderia  ser  Hitler,   mas  apesar de seu 
esforço  o  coração  da  França  ainda  batia... (12)


Além desta fuga de astros para os Estados Unidos, os alemães aumentariam as oportunidades para os franceses ao expulsarem diretores, produtores e atores judeus, embora o próprio Greven lamentasse essa perda por considerá-los muito competentes, chegando a contratar alguns para trabalhar em Vichy. Na verdade, os judeus representariam apenas 15% do total de trabalhadores na indústria cinematográfica francesa. Também é fato que a primeira escola de cinema da França seria fundada em 1944, Institut des Hautes Études Cinématographiques (IDHEC), portanto sob o escudo do invasor nazista, trazendo à memória os investimentos na profissionalização da indústria do cinema realizados pelo ditador aliado de Hitler, Benito Mussolini, na vizinha Itália (13).

“(...) As opiniões expressas por Marcel L’Herbier quando escreveu suas memórias em 1979 pode ser utilizadas para resumir o que muitos cineastas sentiram em relação à ocupação alemã na época: ‘na maior parte nós, diretores de cinema, estávamos trabalhando numa atmosfera de escravidão artística desde 1930, mesmo que então a França fosse livre. Agora que ela não é mais, e os alemães tem o chicote na mão, a situação é completamente invertida e reconquistamos o direito à liberdade artística completa’” (14)

A ideia de alguns franceses que se consideravam patriotas era fazer com que a indústria cinematográfica continuasse nas mãos dos franceses e florescesse na Europa ocupada por Hitler. Foi assim que o funcionário público Guy de Carmoy direcionou sua atenção para a costa mediterrânea do país e suas instalações de produção. De fato, a hipótese de uma “Hollywood francesa” instalada na Côte d’Azur foi algo já bastante discutido nos anos imediatamente anteriores à guerra. Renoir até escreveu sobre as vantagens de se instalar uma “cidade do cinema” em Nice. Os estúdios presentes nesta cidade definharam com o advento do cinema falado, dos seis existentes apenas Victorine e aqueles em Laurent-du-Var ainda se encontravam em funcionamento em 1940. 
Procurando evitar a entrada de capital alemão, Carmoy interveio para que o arrendamento dos estúdios Victorine fosse concretizado com a francesa SESCA, cujo presidente, André Paulvé, já vinha realizando coproduções com a Itália (a qual, por sua vez, enquanto aliada de Hitler tinha ambições territoriais na região) – ele produziu Os Visitantes da Noite, de Carné. Foi criada a CIMEX, com 60% de capital italiano e 40% francês. Paulvé se torna um grande produtor, carreira que se estendeu até os anos 1960. 
Dentre muitos outros, O Bouvelard do Crime foi filmado em Victorine, cujos estúdios seriam afetuosamente homenageados por François Truffaut em A Noite Americana (La Nuit Américaine, 1973). Essa estratégia de trocar Paris por Nice deu certo, e Victorine se tornou o foco do governo Vichy focado em filmes franceses, feitos por técnicos franceses e estúdios controlados por franceses. Comparando o Neorrealismo italiano e o cinema de seu país no imediato pós-guerra, o crítico francês André Bazin observa em artigo de 1948:

“(...) A crítica francesa não deixou de ressaltar, o elogiando ou condenando, mas sempre com um espanto solene, as poucas alusões precisas ao pós-guerra com as quais Marcel Carné quis marcar seu último filme [embora em 1947 tenha realizado La Fleur de l'Âge, filme controverso que foi censurado e depois simplesmente sumiu, ali o cineasta se refere a eventos anteriores à guerra, sendo mais provável que Bazin esteja se referindo a Portas da Noite (Les Portes de la Nuit, 1946)]. Se o diretor e o roteirista se empenharam tanto para fazer com que compreendêssemos isso, foi porque dezenove em cada vinte filmes franceses não podem se situar nos últimos dez anos. Os filmes italianos, ao contrário, mesmo quando o essencial do roteiro é independente da atualidade, são, antes de tudo, reportagens reconstituídas (...)” (15)

Fértil Terreno Infértil

A  época  foi   fecunda  em  filmes
fantásticos  pouco praticados  lá na
França,   incluindo   inclusive   ficção
 científica, com Croisières Sidérales 
(direção André Zwobada, 1942) (16)

Em 1941, 20% dos filmes dos cinemas parisienses eram alemães, porém com pouco sucesso. As exceções serão o escapista Barão de Münchhausen (Münchhausen, direção Josef von Báky, 1943) e o antissemita O Judeu Süss (Jud Süß, direção Lothar Mendes, 1934) (17). Até novembro de 1942, a Secretaria de Informação de Vichy monitorava os filmes no sul do país (única região onde tinha certa jurisdição), buscando um cinema francês que promovesse valores familiares, rurais, católicos. Nas palavras do diretor da COIC (Comitê de Organização da Indústria Cinematográfica), Raoul Ploquin, a meta era elevar o nível artístico e moral do cinema francês, “impedindo que filmes mórbidos e depressivos envenenassem a alma do público francês” (18). 

“Os anos da ocupação são aqueles onde darão seus primeiros passos um Jacques Becker, um Henri-Georges Clouzot, um Louis Daquin ou um Jean Delannoy. Vamos adicionar, para dar uma boa medida, os nomes de realizadores para quem a época é aquela de uma nova largada, desta vez definitiva, como Claude Autant-Lara ou Robert Bresson. Em termos ideológicos, nenhum destes autores pode ser catalogado como ‘vichysta’. O mais atirado para a Libertação [da França], Clouzot, se assemelha mais àquela espécie de ‘anarquista de direita’ que, em todas as épocas, constituiu o fundo de boa parte da cultura artística. Autant-Lara, que termina eleito pela Frente Nacional [(Front National, atualmente Rassemblement National, partido de extrema-direita, protecionista, conservador e nacionalista)] era, nessa época, bem aceito tanto pela esquerda quanto pela direita e, primeiramente, pelos sindicatos dos quais será, depois da guerra, o presidente da Federação CGT do espetáculo. Becker é um simpatizante comunista e Daquin um militante clandestino do Partido [comunista]. No verão de 1944, o Comitê de Libertação do cinema francês, que realiza filmes sobre os maquis [(os guerrilheiros da resistência francesa)] e sobre a insurreição de Paris [contra os alemães], é animado por Becker, Daquin e Le Chanois” (19)

Naturalmente, tal planeta idílico não inclui todo mundo. Vichy e os alemães aprovavam o que lhes interessava: o documentário antissemita Les Corrupteurs (Os Corruptores, direção Pierre Ramelot, 1942), o também antissemita Les Inconnus dans la Maison (Os Desconhecidos na Casa, direção Henry Decoin, 1942), Forces Occultes (Forças Ocultas, direção Jean Mamy com o pseudônimo de Paul Riche, 1943), e o documentário anticomunista Français, vous avez la mémoire courte (Franceses, vocês têm a memória curta) (20).
Antes da projeção dos filmes o público deveria assistir aos cinejornais de quinze minutos France-Actualités, dedicados a glorificar Pétain e sua Revolução Nacional (tradicionalista, conservadora e autoritária) (21) recebidos com vaias, assobios e palavrões – a partir de 1942, o cinejornal alemão, que só era veiculado na zona ocupada, uma nova versão de France-Actualités combina a propaganda alemã e a francesa, passando a ser exibido no país inteiro (22). Quando as luzes passaram a ser acessas durante os noticiários para que se pudesse vigiar a reação das pessoas, elas começaram a fazer questão de chegar na hora da abertura dos filmes.
De acordo com Jean-Luc Douin, para compreender a facilidade com que se deu dominação do cinema francês pelo ocupante nazista deve-se necessariamente considerar a onda de xenofobia e antissemitismo que assolava a França antes da invasão. Independente do fato de se considerar ou não que se trate de um país antissemita, a verdade é que a partir de 1939 a onda de imigração para a França de várias nacionalidades dos países ocupados por Hitler e, naturalmente, de judeus, levou ou, exacerbou sentimentos do tipo “os franceses primeiro”. Portanto, quando os nazistas lá chegaram, já encontraram uma série de elementos jurídicos antissemitas na administração da indústria do cinema – restrição de empregos para estrangeiros etc. Evidentemente, aqueles franceses explicitamente antissemitas foram colocados em postos de comando pelos nazistas (23).


  Tendo dirigido  seis  filmes como, 
 por   exemplo,  A  Mão  do  Diabo
 (1943),   Maurice   Tourneur   será
 um   dos   mais   ativos   diretores
 a trabalhar   na   Continental   (24)


“Durante a ocupação, uma verdadeira guerra das propagandas dos cinejornais. O jornal de Jean-Louis Trixier-Vignancourt, transmitido na zona livre responde aos cinejornais da Deutsche Wochenschau, na zona ocupada. Jean-Louis Trixier-Vignancourt garante a participação de Pathé Journal e France-Actualités, enquanto o governo de Vichy apresenta as imagens [de Pétain] sobre todo o território; no final das negociações, os franceses obtém o monopólio dos cinejornais e se engajam em defender política de colaboração europeia apoiada na vitória alemã. As prefeituras lembram aos gerentes de cinema que os espectadores não devem se manifestar durante os cinejornais, sob pena de sanções contra os cinemas. Os alemães acabam controlando os filmes de France-Actualités, enquanto Vichy os utiliza como emissor da ideologia pétanista e colaboracionista. Em 1944, France-Actualités escapa ao controle de Vichy e se torna France Libre-Actualités” (25)


A paranoia antiestrangeiros e antijudeus reinante na França, que parecia mais preocupada em negar asilo e direito de trabalho aos imigrantes de países ocupados que ali buscavam santuário, convenientemente impediu que se percebesse que o interesse explícito de Goebbels quebrar o predomínio cultural do país na Europa e no mundo. Para alcançar tal objetivo, por um lado os alemães estabeleceram sua própria censura no cinema francês já em julho de 1940, ligada diretamente aos militares da Wehrmacht e a Goebbels. Por outro lado, é aí que entra o papel da Continental Film, na prática apenas uma filial da UFA alemã. Combinados, estas duas instâncias deveriam fornecer entretenimento aos franceses e banir tudo no cinema que excitasse o nacionalismo francês e facilitasse a ida dos moralistas de plantão – embora a censura estabelecida pelos franceses de Vichy não tivesse poder de banir filmes alemães considerados licenciosos.

“Em outubro de 1940, o governo de Vichy cria o COIC, Comitê de Organização da Indústria Cinematográfica [cuja primeira ação foi lembrar à indústria que o Estatuto Judaico excluíra todos os judeus da atividade cinematográfica (26)], colocado sob a tutela de Guy de Carmoy (posteriormente, em 1941, de Louis-Émile Galey). (...) Louis - Émile Galey insiste: nós não queremos mais produtores ‘que parecem se interessar muito mais pelos benefícios materiais imediatos do que com a qualidade’, que ignoram ‘respiração, fé, ambição’. O cinema francês deve estar a serviço da política ‘de recuperação nacional [do governo Vichy] realizada pelo Marechal [Philippe Pétain]’. Assim se desenha o cinema ‘ideal’, sem judeus, que os alemães desejam ‘leve, superficial e divertido’, que Vichy sonha ancorado no retorno a terra e o culto do trabalho, a defesa da família e a exaltação dos valores morais, e que a Central Católica do cinema (que não parou de denunciar ‘a imoralidade e o vício do cinema francês’, de pedir ‘uma censura implacável’, de sustentar o cartel de ação moral reunindo uma centena de associações) exige depurado de suas baixezas, de suas sujeiras, de sua ‘depravação’ (...)” (27)

Continuar Vivendo...


No final,  com  o  país  invadido a  maioria  de  atores e diretores
 se   contentava   em   conseguir  trabalho,  o  que   não  era  difícil, 
  considerando a oferta de empregos devido à expulsão dos judeus  

Na época, Danièle Darrieux era a maior figura do cinema francês. Sua vida, assim como a de outras estrelas, era acompanhada através de novas revistas de cinema, Vedettes, La Semaine, Ciné-Mondial, Toute-la-Vie. Havia uma vida noturna em Paris e nada parecia mais emocionante para as massas do que a entrada de Darrieux no Maxim’s. Para a estreia de seu primeiro filme para a Continental (participaria em três), ela teve de ir a Berlim contra sua vontade (parece que Greven chamou atenção para o fato de que um ramo polonês dela família dela poderia conter judeus...), sendo acompanhada por mais alguns astros franceses, Viviane Romance, Suzy Delair, Junie Astor e Albert Préjean. Darrieux viveu u ma vida tranquila e alienada até o Dia D, em 1944, quando acabou tendo que fugir para o mato com seu marido latino diplomata magnata e seu cachorro (28).
Não era incomum encontrar atrizes francesas de braços dados com oficiais alemães nas casas noturnas de Paris. Mireille Balin apaixonou-se por um oficial da Wehrmacht, Birl Desbok, com quem ficou até o final da guerra – ele seria assassinado no momento da prisão dela como colaboracionista, em setembro de 1944. Corine Luchaire, filha de um editor de jornais, teve um filho com Woldar Gelrach, capitão da Luftwaffe – ela estava grávida quando acompanhou seu pai, outro colaboracionista, à prisão no mesmo ano; posteriormente, ela seria condenada a dez anos de dégradation nationale. Eventualmente, atrizes taxadas de colaboracionistas como Suzy Delair e Michèle Alfa (amante de Bernhardt Rademecker, sobrinho de Goebbels e oficial da Propaganda Staffel), poderiam usar sua influência para salvar certos judeus e certos atores.


A  homossexualidade  havia  sido
banida por Hitler. Contudo, fossem
 (como Robert Brasillach e Bonnard) 
ou não colaboracionistas,  é  grande
 a  frequência a bares gays de Paris, 
populares entre soldados alemães 


Galtier-Boissière apelidou Abel Bonnard (colaboracionista
infame, nomeado Ministro da Educação em 1942) de gestapette,
Gestapo+tapette,  gíria francesa para  “homossexual”  (29)


Por outro lado, tal contato nem sempre era o padrão entre as pessoas da indústria cinematográfica. No final das contas, explicou Alan Riding, a maioria de atores e diretores se contentava em conseguir trabalho, coisa que, por outro lado, não era difícil, já que 60 filmes foram rodados em 1941, 67 em 1942 e 60 em 1943 – sem falar da oferta de empregos devido à expulsão dos judeus de seus postos de trabalho. Com a invasão Micheline Presle fugiu para Nice, onde participou em três filmes. De volta a Paris em 1942, faz mais três filmes, embora nenhum para a Continental Film. Voltou também a participar da vida noturna, mas dizia detestar alemães e os evitava.

Elina Labourdette manteve distância da vida social e nunca conheceu um alemão. Os dois filmes que fez em Paris não foram produzidos pela Continental. Robert Bresson, amigo dela, a escalou para As Damas do Bois de Boulogne, em 1944.
O famoso ator Harry Baur não teve muita sorte, os semanários colaboracionistas o acusaram de ser judeu e maçom, o que o levou a aceitar papeis em dois filmes de Greven como forma de proteção. Em 1942, concordou em fazer vários filmes na Alemanha, quando foi convidado para o jantar onde Goebbels, Danielle Darrieux e uma comitiva francesa comemorava a estreia dela na Continental. Baur foi preso quando protestou pela prisão de sua esposa judia. Torturado pela Gestapo, a polícia secreta de Hitler, seria solto em 1943 com a saúde debilitada. Morreu em abril daquele ano. Seria possível citar exemplos indefinidamente para ilustrar a vida na indústria cinematográfica francesa durante a ocupação nazista. 

Arletty e Guitry


“Meu coração é francês, mas minha bunda é internacional”

Frase atribuída à Arletty
Dentre as atrizes frequentadoras de casas noturnas em Paris, Arletty era a mais reconhecida. Ela se tornou amante de Hans Jürgen Soehring, um oficial da Luftwaffe. Participou de sete filmes no período e comparecida a eventos sociais, sendo também amiga de autores colaboracionistas como Drieu La Rochelle e Cèline, além do pianista Alfred Corot. Douin lembra que Arletty foi a figura de proa das mulheres emancipadas contra a censura francesa que procurava fabricar uma mulher perfeita, casta e melosa. Em 1939, Carné a filma durante o banho em Trágico Amanhecer. Cortada pela censura de Vichy, a cena nunca mais foi reconstituída. A atriz será questionada também por aceitar o convite da Continental em maio de 1941 para receber a estrela alemã da UFA Zarah Leander no Ledoyen, em Champs-Élisées (30).
Com as notícias de que os Estados Unidos invadiu a França, Arletty abandona apressadamente as filmagens de Boulevard do Crime, refugiando-se com um jovem assistente do filme, e da resistência, Georges Baudoin – depois ela vai para Dr. Évenou. Pressa, ela será transferida para Drancy por 120 dias. A seguir, em prisão domiciliar, será proibida de circular e trabalhar durante três anos. Em 1946, a prisão é relaxada e pode voltar a circular por Paris, embora deva comparecer ao “comitê de depuração”. Reencontrou seu alemão depois da guerra, mas não reatou a relação. Também deixou claro não gostar de De Gaulle, militar francês mais famoso então. Diziam que tinha paixão por uniformes, ao que respondeu: “admiro apenas um uniforme: aquele do corpo de bombeiros e apenas um exército, o exército da salvação” (31).

“Dentre o conjunto dos interpretes de O Bouvelard do Crime, Arletty é a melhor paga: ela recebe mais de 1, 700, 000 francos, duas vezes mais que [Jean-Louis] Barrault e vinte e cinco mais do que [Maria] Casarès. Se acreditarmos nos contratos, ela é a única a ter certeza de viajar em primeira classe e, durante as filmagens em Paris, uma charrete é colocada a sua disposição para leva-la de seu apartamento aos estúdios da rua Francœr. Contudo, em 1944, ela é apenas a oitava vedete feminina em termos de popularidade (será a 15ª em 1950, precedida a cada vez por Viviane Romance, Edwige Feuillère, Danièle Darrieux e Micheline Presle) (...)” (32)


“Depois de ter sido a mulher mais convidada
 de Paris, eu sou a mais evitada” 

Arletty

À propósito do ostracismo que lhe foi imposto como punição depois da guerra (33)

“A atriz mais famosa acompanhada pela épuration [após a guerra, chamou-se “depuração” aos processos contra os colaboracionistas, de prostitutas a simples namoradas, passando por políticos e gente das artes etc] foi a inimitável Arletty. A seu favor vale dizer que nunca filmou para a Continental, e que ajudou a libertar Tristan Bernard de Drancy, ao lado de Guitry. Mas passou a se dedicar a um oficial da Luftwaffe [...], a partir de 1941. Circulava com ele pela cidade inteira, jantava no Maxim’s e comparecia a recepções na embaixada alemã, inclusive a que homenageou [Hermann] Goering [líder da Luftwaffe e lunático antissemita do alto escalão nazista], em dezembro de 1941. Depois da libertação [da França] ela se escondeu, mas foi presa em dois meses e enviada a Drancy. ‘Na cadeia uma jovem freira tentou fazer com que eu me aproximasse de Deus’, recordou tempos depois. ‘Eu disse que já nos conhecíamos, e que a relação não tinha dado certo’. Sempre com uma resposta ferina na ponta da língua, certa manhã o promotor perguntou, durante o julgamento, como ela se sentia. ‘Não muito resistente’, respondeu’ [(certamente uma referência à Resistência francesa clandestina, que lutava contra o invasor nazista)]. A principal queixa contra ela, de ter tido um amante alemão, recebeu a resposta: ‘na minha cama ninguém usa uniforme’. Em seguida, soltou o comentário que a tornou famosa: ‘Meu coração é francês, mas minha bunda é internacional’ [(há controvérsia sobre quando e onde ela disse isso; Douin, por exemplo, afirma que foi Henri Jeanson quem teria sussurrado esta resposta para ela)]. Após seis semanas em Drancy, ela passou a cumprir pena em prisão domiciliar no castelo de uns amigos, em La Houssaye-en-Brie, a 30 quilômetros de Paris. Em 1947 retomou a carreira com La Fleur de l’Âge, novo filme de seu velho amigo Carné, para quem fez dois dos melhores filmes da época da ocupação, Os Visitantes da Noite e O Boulevard do Crime. Em 1956, tendo estrelado dez filmes desde a libertação, foi escolhida para compor o júri do nono Festival de Cinema de Cannes. Aos 58 anos, ela ainda sabia encantar os franceses” (34)
Sacha Guitry, homem de teatro e cinema, era tão famoso que se confundia com a França da Terceira República (1870-1940). Para Noël Simsolo, a invasão alemã o levará a se transformar em bode expiatório. Após a libertação, será acusado de colaborar com o inimigo. Em sua defesa, escreverá dois livros sobre o assunto, mas continuará suspeito aos olhos de muitos apesar das evidências de sua inocência. Sairá dessa experiência com desgosto e decepção, falando em vitória dos medíocres. Atribui-se a ele o comentário: “Não é minha culpa se eu sou desprovido de qualquer senso político de virtudes guerreiras” (35).
Como muitos franceses ele vive uma contradição, é contra os alemães, mas apoia cegamente o Marechal Pétain. Guitry fala muito no rádio, mas não cita o desembarque das tropas aliadas na África do Norte, a sabotagem da frota francesa em Toulon, a criação de uma milícia em Vichy, a instauração do Serviço de Trabalho Obrigatório (centenas de milhares de franceses foram deportados para trabalho forçado na Alemanha) e sobre a exaltação da guerra total por Goebbels em nome de Hitler – ele só pensa em seu livro “De Joana D’Arc a Pétain” (36).

No  interrogatório,  Guitry  lerá  sua
ficha: “motivo da prisão:  ignorado”.
Mas  ele  é  muito  célebre  para  não
servir  de  exemplo.  O  público quer
condená-lo. Contudo,  até  o  apelo  à
delação não reúne nada de concreto


No estrangeiro, os emigrantes o consideram perigoso colaborador. A revista Life publicou uma lista de traidores da França que deveriam morrer. Ao lado de Guitry, o Primeiro Ministro Pierre Laval, Pétain, Almirante François Darlan, o escritor Louis-Ferdinand Céline, a atriz Mistinguett (Jeanne Florentine Bourgeois), o ator Maurice Chevalier, o pintor e escultor André Derain... – consta que o próprio Pétain sugeriu a Guitry que parasse de citar seu nome. Ardente defensor da grandeza da França, o mesmo Guitry que em 1916 e 1940 queria impedir que os alemães colonizassem culturalmente seu país, em 1943 sugere que vale mais a pena nos fazermos de cego do que participar dessa tragédia da França ocupada.
Enquanto isso, do outro lado, sua situação é complexa. Os alemães suspeitam que Guitry seja judeu e ele quase não tem mais poder. Juntamente com Arletty, e o pianista Alfred Corot, seu último ato de intervenção foi ajudar na libertação do escritor Tristan Bernard e sua esposa. Infelizmente, isso só fez confirmar para a resistência francesa que Guitry deveria gozar de excelentes relações com o invasor. O mal entendido persistirá até seus últimos dias de vida. Aparentemente, ele era muito autoconfiante (ou ingênuo...). Todos o avisaram para tomar cuidado, inclusive Arletty. Em agosto de 1944, será preso pelos franceses livres. 
Mas o dossier Guitry está vazio: nenhuma prova, nenhuma queixa, apenas uma sequência de fofocas e boatos. Durante o interrogatório, Guitry lerá sua ficha: “motivo da prisão: ignorado”. Mas ele é muito célebre para não servir de exemplo. O público quer condená-lo. Entretanto, mesmo o apelo à delação não reúne nada de concreto. Na prisão, visitam-no apenas soldados norte-americanos que o admiram. Execrado na França, não pode publicar nada ou aparecer em cena, pensa em emigrar para os Estados Unidos. Finalmente, em 1947 Guitry é liberado de todas as acusações e retorna ao teatro. Mas as críticas negativas continuavam, até que o Cahiers du Cinéma começasse a se interrogar a respeito de sua escritura cinematográfica. 
Em 1948, encontramos apenas a publicação de uma filmografia comentada, assinada por um jovem de dezesseis anos chamado François Truffaut. Em 1969, Truffaut ficou impressionado com o filme de Marcel Ophüls, A Tristeza e a Piedade (Le Chagrin et la Pitié), documentário que mostra a vida numa cidade francesa durante a ocupação, introduzindo entrevistas. Para Truffaut, este foi importante por ser o primeiro filme a respeito do tema que não olha para a história da França daquele período como um tempo heroico. Censurado pelas autoridades francesas, considerado antipatriótico por muitos, A Tristeza e a Piedade contou com a influência de Truffaut para que fosse projetado na televisão – mas só seria lançado em 1981! (37). 

Ajuste de Contas


Os filmes produzidos na França Vichy eram balizados
na ideologia do trabalho-família-pátria (38) 

Em junho de 1944, o comitê francês de libertação nacional traça uma série de procedimentos na recém “libertada” Argélia (esta colônia francesa ainda levaria uns bons dez anos para se libertar dos franceses). No que diz respeito ao cinema, todos os filmes alemães introduzidos na França a partir de 1940 serão recolhidos (em especial aqueles de explícita propaganda nazista, fascista ou vichysta), enquanto a censura militar só poderá interditar filmes que comprometam as necessidades da defesa nacional (39). 
A Grande Ilusão (La Grand Ilusion, direção Jean Renoir, 1937) será proibido até o retorno dos prisioneiros, Quermesse Heróica (La Kermesse Héroque, direção Jacques Feyder, 1935) terá sua recuperação adiada, imporá para A Esperança (L'Espoir, André Malraux, Boris Peskine, direção1940) uma apresentação explicando a época que o filme foi realizado, Paméla (direção Pierre de Hérain, 1945), que acontece durante a revolução e mostra as dificuldades de abastecimento, será cortado, será proibido O Crime de Monsieur Lange (Le Crime de Monsieur Lange, direção Jean Renoir, 1936), porque supostamente exibe os vícios mais variados e ultrajantes, serão condenados como antifranceses Les Inconnus dans la Maison, Sombra do Pavor (Le Courbeau, direção Henri-Georges Clouzot,1943) e La Vie de Plaisir (direção Albert Valentin, 1944).
Coloca-se em prática uma política de depuração, aqueles que colaboraram com os nazistas são julgados pelo tribunal de justiça (condenando à morte Jean Marquès-Rivière e Jean Many, roteirista e realizador de Forces Occultes, 1943; condenando a três anos de prisão Robert Muzard, diretor da NOVA-Films; Henry Clerc, chefe dos noticiários alemães-vichystas à prisão perpétua com trabalhos forçados) ou por organismos profissionais (prenderam umas 250 pessoas, posteriormente impedidas de exercer sua profissão temporariamente).  
Dentre os “punidos”, Arletty, Pierre Fresnay, Yvonne Printemps, Mireille Balin, Corine Luchaire, Albert Préjean, Tino Rossi, Maurice Chevalier, Robert Le Vigan e o roteirista Henri Jeanson (advertido), Marcel Carné (advertido), Henri-Georges Clouzot (dois anos de proibição de trabalho por realizar Sombra do Pavor, filme destinado a minar a moral dos franceses e propagar a delação através de cartas anônimas). Em julho de 1945 a censura retorna à autoridade civil.

Leia também:


Notas:

1. RIDING, Alan. Paris, a Festa Continuou: A vida cultural durante a ocupação nazista, 1940-4. Tradução Celso Nogueira, Rejane Rubino. São Paulo: Companhia das Letras, 1ª edição, 2012. P. 231.
2. FORBES, Jill. Les Enfants du Paradis. London: British Film Institute, 1997. Pp. 12-18, 73n7, 73n9.
3. RIDING, A. Op. Cit., p. 224.
4 Idem, p. 225.
5. Ibidem, p. 224.
6. Ibidem, p. 225.
7. ORY, Pascal. Le Cinéma Français sous l’Occupation, entre Enfer et Paradis. In: Les Enfants du Paradis – Marcel Carné, Jacques Prévert. Éditions Xavier Barral/La Cinematèque Française/Fondation Jérôme Seydoux-Pathé, 2012. Catálogo de exposição. P. 21.
8. DOUIN, Jean-Luc. Dictionnaire de la Censure au Cinéma. Images Interdites. Paris: Quadrige/PUF, 2001. P. 88.
9. RIDING, A. Op. Cit., p. 231.
10. Idem, p. 78.
11. FORBES, J. Op. Cit., p. 15.
12. RIDING, A. Op. Cit., p. 231-2.
13. Idem, pp. 224, 226, 227, 229.
14. FORBES, J. Op. Cit., p. 13.
15. BAZIN, André. O que é Cinema? Tradução Eloisa Araújo Ribeiro. São Paulo: Ubu Editora, 2018. P. 310.
16. ORY, P. Op. Cit., p. 24.
17. RIDING, A. Op. Cit., p. 230.
18. Idem, p. 229.
19. ORY, P. Op. Cit., pp. 21-4.
20. RIDING, A. Op. Cit., pp. 229-30.
21. ORY, P. Op. Cit., p. 24.
22. RIDING, A. Op. Cit., p. 231.
23. DOUIN, J.-L. Op. Cit., pp. 190-3.
24. RIDING, A. Op. Cit., p. 229.
25. DOUIN, J.-L. Op. Cit., p. 203. 
26. RIDING, A. Op. Cit., p. 229.
27. DOUIN, J.-L. Op. Cit., p. 192.
28. RIDING, A. Op. Cit., pp. 227, 234-40, 375.
29. Idem, p. 239.
30. DOUIN, J.-L. Op. Cit., pp. 32-3.
31. Idem, p. 33.
32. ORY, P. Op. Cit., p. 146.
33. DOUIN, J.-L. Op. Cit., p. 33.
34. RIDING, A. Op. Cit., pp. 375.
35. SIMSOLO, Noël. Sacha Guitry. Paris: Cahiers du Cinéma, 1988. P. 85.
36. Idem, pp. 85, 92, 93, 94, 97, 101, 103, 10-4-5.
37. BAECQUE, Antoine de; TOUBIANA, Serge. François Truffaut. Paris: Éditions Gallimard, 2001. Pp. 689, 825n12.
38. ORY, P. Op. Cit., p. 24.
39. DOUIN, J.-L. Op. Cit., p. 194.

Postagem em destaque

Herzog, Fassbinder e Seus Heróis Desesperados

 Entre Deuses e Subumanos Pelo menos em seus filmes mais citados, como Sinais de Vida (Lebenszeichen, 1968), T ambém os Anões Começar...

Postagens populares (última semana)

Quadro de Avisos

Salvo quando indicado em algum ponto da página ou do perfil, este blog jamais foi patrocinado por ninguém e não patrocina nada (cursos, palestras, etc.) e jamais "doou" artigos para sites de "ajuda" a estudantes - seja no passado, presente ou futuro. Cuidado, não sejam enganados por ladrões da identidade alheia.

e-mail (no perfil do blog).

......

COMO CITAR ESTE BLOG: clique no título do artigo, verifique o link no alto da tela e escreva depois do nome do autor e do título: DISPONÍVEL EM: http://digite o link da página em questão ACESSO EM: dia/mês/ano

Marcadores

1984 (4) A Bela da Tarde (5) A Chinesa (4) A Concha e o Clérigo (1) A Doce Vida (1) A Dupla Vida de Véronique (1) A Fraternidade é Vermelha (1) A Grande Testemunha (1) A Hora do Lobo (5) A Idade do Ouro (7) A Igualdade é Branca (1) A Infância de Ivan (8) A Liberdade é Azul (1) A Mãe e a Puta (4) A Metamorfose (1) A Paixão de Ana (3) A Religiosa (3) A Rua sem Alegria (1) A Terceira Geração (5) A Última Etapa (1) A Vida dos Outros (1) Acossado (8) Aelita (3) Agnès Varda (1) Agnieszka Holland (3) Aguirre (5) Alain Delon (1) Alemanha no Outono (2) Alexander Nevsky (4) Alexanderplatz (10) Alphaville (7) Alucinado (3) Amigo Americano (1) Amor Louco (1) Amores do Faraó (1) André Bazin (3) Andrei Rublev (12) Angelopoulos (4) antipsiquiatria (1) Antiteatro (2) Antonioni (15) Artaud (3) As Favelas de Berlim (2) As Margaridas (1) Asas do Desejo (3) Através de Um Espelho (5) Aurora (2) Baader Meinhof (11) Barbara Sass (1) Barthes (5) Béla Balász (5) Béla Tarr (1) Bergman (37) Bertolucci (4) Bibi Andersson (4) Bolwieser (1) Brecht (4) Bresson (11) Brigitte Bardot (5) Buñuel (22) Burguesia (14) Cahiers du Cinema (2) Caligari (19) Carl Dreyer (11) Carlos Saura (1) Carmem (1) Catherine Deneuve (3) Cenas de um Casamento (3) Censura (11) Chabrol (4) Chantal Akerman (2) Chaplin (9) Cineficação (1) Cinema do Medo (1) Cinema Livre (1) Cinema Novo Alemão (4) Cinema Novo Tcheco (1) Cinemaníaco (2) Cinzas e Diamantes (6) Claude Lelouch (1) Clichê (4) Close (33) comédia (5) Comunismo (16) Conrad Veidt (1) Coração de Cristal (1) Corpo (16) Costa-Gavras (2) Crítica (3) Cubismo (2) Da Manhã à Meia Noite (3) Dadaísmo (2) David Lean (1) Decálogo (2) Desprezo (4) Deus (4) Dia de Festa (2) Diabel (1) Diferente dos Outros (4) Disney (2) Dogma (1) Dorota Kędzierzawska (1) Dostoyevski (5) Double Bind (8) Dovjenko (5) Duas ou Três Coisas que Eu Sei Dela (2) Efeito Kulechov (4) Efeitos Especiais (1) Effi Briest (2) Eisenstein (18) Emir Kusturica (2) Eric Rohmer (6) Escola de Carteiros (1) Escola Polonesa (4) Espaguete (1) Esse Obscuro Objeto do Desejo (2) Estudante de Praga (3) Expressionismo (29) Fahrenheit (3) Fanny e Alexander (7) Fassbinder (42) Fausto (4) Fellini (17) Ficção Científica (5) Filhos da Guerra (2) Filmes Zille (2) Fisiognomonia (1) Fitzcarraldo (1) François Ozon (1) Franju (1) Freud (5) Fritz Lang (27) Gance (2) Genuine (2) Geração (4) Germaine Dulac (2) Germanin (1) Gilles Deleuze (15) Godard (42) Goebbels (10) Golem (5) Greta Garbo (1) Grierson (1) Griffith (4) Gritos e Sussurros (11) Herói (5) Herzog (18) Hiroshima Meu Amor (5) Hitchcock (6) Hitler (31) Hollywood (44) Holocausto (7) Homossexualismo (19) Homunculus (2) Igreja (6) India Song (2) Indústria Cultural (2) Istvan Szabó (2) Ivan o Terrível (3) Jean Cocteau (6) Jean Epstein (3) Jean Eustache (6) Jean Genet (2) Jean Mirtry (1) Jean Rouch (2) Jean Vigo (2) Jean-Paul Belmondo (4) Jean-Pierre Léaud (4) Jeanne Dielman (2) Judeu (10) Judeu Rico (2) Judeu Süss (6) Judeus (2) Jung (2) Kafka (3) Kanal (6) Karl May (1) Károly Makk (2) Katyn (1) Kawalerowicz (3) Ken Loach (3) Kes (4) Kieślowski (7) Kluge (1) Kracauer (4) Kristina Söderbaum (1) Kubrick (6) Kuhle Wampe (1) Kulechov (9) Kurosawa (3) Lacan (2) Lars von Trier (1) Lili Marlene (9) Lilian Harvey (3) Lindsay Anderson (1) Liv Ullmann (10) Lola (7) Lotna (2) Lotte Eisner (9) Louis Malle (2) Lubitsch (8) Luz de Inverno (1) Mabuse (9) Mãe Polonesa (1) Mamãe Kuster (4) Manifesto de Oberhausen (1) Mãos de Orlac (3) Marguerite Duras (6) Marika Rökk (1) Marlene Dietrich (1) Martha (9) Máscara (6) Masculino Feminino (2) Mastroianni (2) Max Linder (2) Medo do Medo (3) Méliès (2) Melodrama (6) Mephisto (1) Metropolis (8) Miklós Jancsó (2) Milos Forman (1) Misoginia (3) Mizoguchi (2) Mon Oncle (5) Monika e o Desejo (9) Morte (5) Morte Cansada (4) Mulher (41) Munk (1) Muriel (1) Murnau (19) Na Presença de um Palhaço (2) Nagisa Oshima (1) Nathalie Granger (1) Nazarin (5) Nazi-Retrô (4) Nazismo (31) Neo-Realismo (6) Noite e Neblina (3) Noli me Tangere (1) Nosferatu (14) Nostalgia (8) Nouvelle Vague (17) Nova Objetividade (1) Nudez (10) O Anjo Azul (1) O Anjo Exterminador (3) O Ano Passado em Marienbad (1) O Direito do Mais Forte (5) O Discreto Charme da Burguesia (2) O Espelho (10) O Fantasma da Liberdade (4) O Judeu Eterno (3) O Medo Devora a Alma (4) O Outro (2) O Ovo da Serpente (1) O Prado de Bejin (2) O Rito (3) O Rolo Compresor e o Violinista (2) O Rosto (2) O Rosto no Cinema (2) O Sacrifício (8) O Sétimo Selo (9) O Silêncio (12) Olga Tchekova (1) Orwell (5) Os Esquecidos (1) Os Incompreendidos (6) Os Nibelungos (9) Os Pescadores de Aran (1) Out1 (1) Outubro (2) Pandora (5) Paris Texas (4) Pasolini (14) Pequeno Soldado (6) Persona (16) Philippe Garrel (3) Picasso (3) Pickpocket (1) Playtime (4) Poesia (3) Polanski (2) Pornografia (5) Potemkin (4) Praunheim (4) Prostituta (3) Protazanov (3) psicanálise (4) Pudovkin (9) Puta Sagrada (4) Quarto 666 (1) Querelle (5) Raskolnikov (3) Realismo (4) Realismo Poético (2) Realismo Socialista (5) Reinhold Schünzel (3) Religião (6) René Clair (2) Renoir (1) Resnais (8) Revolução dos Bichos (1) Riefenstahl (6) Rio das Mortes (1) Rivette (6) Roger Vadim (1) Romantismo (9) Rossellini (6) Rosto (20) Sadomasoquismo (4) Sarabanda (3) Sartre (2) Schlöndorff (1) Schroeter (2) Se... (1) Sem Fim (1) Sergio Leone (2) Sexo (9) Sirk (4) Slavoj Žižek (1) Sokúrov (1) Solaris (9) Sombras (1) Sonhos de Mulheres (1) Stalin (6) Stalker (8) Sternberg (1) Stroszek (1) Suicídio (3) Sumurun (1) Surrealismo (12) Syberberg (3) Tabu (1) Tambor (2) Tarkovski (27) Tati (6) Tempo (8) Teorema (1) Terrorismo (5) Tio Krüger (1) Trafic (4) Trilogia da Incomunicabilidade (1) Trilogia das Cores (1) Trilogia do Silêncio (8) Trotta (1) Truffaut (25) Último Homem (4) Um Cão Andaluz (6) Um Filme Para Nick (1) Underground (2) Velho e Novo (2) Věra Chytilová (1) Veronika Voss (9) Vertov (7) Vida Cigana (1) Viridiana (8) Visconti (3) Wagner (6) Wajda (10) Wanda Jakubowska (2) Wenders (19) Whity (4) Zanussi (2) Zarah Leander (5) Zero em Comportamento (1) Zulawski (1) Zurlini (1)

Minha lista de blogs

Visitantes

Flag Counter
Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-No Derivative Works 3.0 Brasil License.