Este sítio é melhor visualizado com Mozilla Firefox (resolução 1024x768/fonte Times New Roman 16)

Roberto Acioli de Oliveira

Arquivos

21 de abr de 2009

A Nudez no Cinema (IV): Ingmar Bergman




“Na história
do cinema sueco
,
nenhuma mulher
teve tanto charme
erótico e selvagem
quanto Harriet”

Ingmar Bergman (1)



Mônica e o Desejo

Harri e Mônica (ele 17 e ela 15) resolvem abandonar seus pais e o trabalho. Refugiam-se num arquipélago próximo a Estocolmo. Quando voltam, tentam se integrar numa espécie de vida burguesa, mas tudo acaba numa catástrofe. Bergman, entretanto, sentiu a força da tesoura da censura na Suécia. Foram cortadas três cenas, numa o casal está bêbado (parcialmente cortada), noutras duas eles brigam. Numa dessas, a briga de bêbados acaba em uma cena de amor orgíaca. A censura cortou tudo. Apesar disso, Mônica e o Desejo é um filme muito mais sadio e vigoroso do que os que vieram antes dele, que correspondem a um período de revolta de juventude e puberdade (2).

Um casal de jovens
em busca de liberdade
amorosa e sexual

(mas também da saída
para o conformismo

de uma sociedade
sufocante) (3)


Como se pode constatar, a nudez dos corpos no cinema de Bergman revela, o mais das vezes, mais uma morbidez do que um ritual erótico (4). O cineasta precisaria retroceder aos 6 anos de idade para encontrar uma lembrança de sua relação com a nudez feminina que não estivesse mergulhada em culpa e ansiedade. A exceção seria Mônica e o Desejo (Sommaren med Monika, 1953). Imortalizado em Os Incompreendidos (Les Quatre Cents Coups, 1959), dirigido pelo francês François Truffaut, na cena em que dois meninos roubam uma fotografia do filme de um cinema (imagem acima), o filme de Bergman mostra uma nudez solar, inocente, naturista e sem culpa.

O cinema
de Bergman

consegue filmar
um corpo sem
máscaras em
Mônica e
o Desejo

Jean Breschand


Apenas dois planos do filme mostram a nudez de Mônica, mas eles são capazes de cristalizar o filme inteiro em alguns segundos. Sua volta no final mostra que eles são centrais. Mônica e o Desejo não têm sombras, a nudez está às claras. O que não quer dizer que está explícita, a força de Bergman está em colocar o espectador em posição de ver uma jovem mulher ter prazer com a própria nudez, mas sem a exibir (5). Alguns lembrarão de Mônica por uma imagem no prólogo de Persona (1966), quando num desenho animado uma mulher com os pés na água lava os seios. Na manhã do primeiro dia de fuga, Mônica sai do barco e caminha até uma árvore (urinar?), em seguida vai se lavar na beira d’água (imagem acima).


Mônica e
o Desejo
não
afasta de nossos

olhos o outro lado
da liberdade sexual
:
uma gravidez não
planejada


Quando Mônica fica nua pela primeira vez na presença de Harri, ela é vista a partir de dois olhares, o do namorado e o da câmera (que é o do espectador). Em primeiro plano, Mônica surge da parte debaixo do quadro, cruza a paisagem e começa a tirar seu pulôver, revelando sua axila não raspada e seu grande peito escondido no sutiã e sua calcinha. Agora um close em Harri, que a segue com os olhos, sugere de maneira muito recatada que ela passa sobre ele de maneira nada recatada, para ir banhar-se inteiramente nua numa posa de água do mar nas pedras próximo ao mar. Mas nós a vemos de costas quando Harri se aproxima para acariciá-la nos ombros. Quando Bergman passa ao contracampo (quando inverte sua posição para ficar de frente para ela), os seios de Mônica são cuidadosamente afastados dos olhos do espectador.

O olhar
do espectador
procura se
transferir para
o de Harri
atrav
és dos
olhos da
imaginação

Quando ela corre nua na direção da banheira natural na rocha, teremos aí a única imagem onde se pode vê-la inteiramente nua – de costas. No final do filme, quando Harri para diante de um espelho e relembra seu verão com Mônica, Bergman não mostra a cena em que a vemos passa sobre ele – justamente, pois são as lembranças dele e não as nossas, mas mostra por mais alguns segundos a seqüência, enquanto a vemos de costas descer pelas pedras até uma banheira natural. Portanto, conclui Bergala, trata-se de um filme impar na carreira de Bergman, onde ele se entregou a um erotismo quente, com imagens distantes de seus enquadramentos protestantes habituais em relação à nudez e a sexualidade.


A
sensualidade

inocente de
Mônica e
stá
de braços

dados com
sua imaturidade


Harriet Andersson, ela foi Agnes morrendo em Gritos e Sussurros, e a Mônica sensual e imatura de 15 anos em 1953. Vinte anos as separam, mas o corpo continua no centro da questão. Durante as filmagens de Mônica e o Desejo, Bergman se apaixona pela jovem atriz e filma algumas das seqüências mais liberadas de sua obra, as únicas que não falam de sofrimento, ansiedade e morte. Entretanto, mesmo na euforia, Bergman não seria capaz de filmar um nu total sem se colocar questões morais e estéticas. Ele não vai mostrar a intimidade da jovem atriz, também sua amante, ao espectador. Curiosamente, em seu próximo filme, Uma Lição de Amor (En Lektion i Kärlek, 1954), Harriet fará o papel de uma menina que prefere ser menino.

A censura
sueca
passou
a tesoura em
Mônica e o Desejo
,
mas deixou duas
cenas memoráveis
,
e o mais importante
:
o rosto de Mônica


Para Jean Breschand, Bergman filma um corpo sem máscara em Mônica e o Desejo. Entretanto, pelo menos em relação a certo famoso close do rosto de Mônica, Jacques Aumont acredita que Bergman captou o momento em que um rosto se torna uma máscara. Enquanto Harri está trabalhando fora da cidade, Mônica está no bar fazendo mais do que passar o tempo. A câmera vai se aproximando dela, a menina-mulher se vira em nossa direção e nos encara sem sequer piscar os olhos durante alguns segundos (imagem abaixo). Certamente, não é o primeiro close de rosto do cinema onde um personagem encara o espectador, mas só Bergman compreende que esse olhar é capaz de transformar um rosto numa máscara que o impedirá de exprimir sentimentos (6). Não conseguimos decidir se aquele olhar traduz a perda da esperança ou se Mônica está perguntando: “você pensa que sabe o que eu estou pensando?”



Bergman faz
muitos closes em
seus filmes
. Pelo menos
uma coisa sobre o corpo
ele descobriu: o rosto
está sempre n
u





Notas:

Leia também:

A Nudez no Cinema (V)

1. BJÖRKMAN, Stig. O Cinema Segundo Bergman. Tradução Lia Zats. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1977. P. 63.
2. Idem, p. 61 e 65.
3. AUMONT, Jacques. Ingmar Bergman. “Mes Films sont L’explication de mes Images”. Paris: Cahiers du Cinema, 2003. P. 30.
4. BERGALA, Alain. Bergman In BERGALA, Alain; DÉNIEL, Jacques; LEBOUTTE, Patrick (orgs) Une Encyclopédie du Nu au Cinéma. Éditions Yellow Now/Studio 43 – MJC/Terre Neuve Dunkerque. Pp. 53-7. Exceto onde for especificado, o artigo resume o verbete.
5. BRESCHAND, Jean. Sommaren Med Monika. In BERGALA (et alii). Op. Cit., p. 356.
6. AUMONT, Jacques. Op. Cit., pp. 85-6.

Postagens populares (última semana)

Quadro de Avisos

Salvo quando indicado em algum ponto da página ou do perfil, este blog jamais foi patrocinado por ninguém e não patrocina nada (cursos, palestras, etc.) e jamais "doou" artigos para sites de "ajuda" a estudantes - seja no passado, presente ou futuro. Cuidado, não sejam enganados por ladrões da identidade alheia.

e-mail (no perfil do blog).

......

COMO CITAR ESTE BLOG: clique no título do artigo, verifique o link no alto da tela e escreva depois do nome do autor e do título: DISPONÍVEL EM: http://digite o link da página em questão ACESSO EM: dia/mês/ano

Marcadores

1984 A Bela da Tarde A Chinesa A Concha e o Clérigo A Doce Vida A Dupla Vida de Véronique A Fraternidade é Vermelha A Grande Testemunha A Hora do Lobo A Idade do Ouro A Igualdade é Branca A Infância de Ivan A Liberdade é Azul A Mãe e a Puta A Paixão de Ana A Religiosa A Rua sem Alegria A Terceira Geração A Última Etapa A Vida dos Outros Acossado Aelita Agnieszka Holland Aguirre Alain Delon Alemanha no Outono Alexander Nevsky Alexanderplatz Alphaville Alucinado Amigo Americano Amores do Faraó André Bazin Andrei Rublev Angelopoulos antipsiquiatria Antiteatro Antonioni Artaud As Favelas de Berlim Asas do Desejo Através de Um Espelho Aurora Baader Meinhof Barbara Sass Barthes Béla Balász Bergman Bertolucci Bibi Andersson Bolwieser Brecht Bresson Brigitte Bardot Buñuel Burguesia Cahiers du Cinema Caligari Carl Dreyer Carlos Saura Carmem Catherine Deneuve Cenas de um Casamento Censura Chabrol Chantal Akerman Chaplin Cineficação Cinema do Medo Cinema Livre Cinema Novo Alemão Cinema Novo Tcheco Cinemaníaco Cinzas e Diamantes Claude Lelouch Clichê Close comédia Comunismo Coração de Cristal Corpo Costa-Gavras Crítica Cubismo Da Manhã à Meia Noite Dadaísmo Decálogo Deus Dia de Festa Diabel Diferente dos Outros Disney Dorota Kędzierzawska Dostoyevski Double Bind Dovjenko Duas ou Três Coisas que Eu Sei Dela Dusseldorf Efeito Kulechov Efeitos Especiais Effi Briest Eisenstein Eric Rohmer Escola de Carteiros Escola Polonesa Espaguete Esse Obscuro Objeto do Desejo Estudante de Praga Expressionismo Fahrenheit Fanny e Alexander Fassbinder Fausto Fellini Ficção Científica Filhos da Guerra Filmes Zille Fisiognomonia Fitzcarraldo François Ozon Franju Freud Fritz Lang Gance Genuine Geração Gerhard Lamprecht Germaine Dulac Germanin Gilles Deleuze Godard Goebbels Golem Greta Garbo Griffith Gritos e Sussurros Herói Herzog Hiroshima Meu Amor História Hitchcock Hitler Hollywood Holocausto Homossexualismo Homunculus Igreja India Song Indústria Cultural Istvan Szabó Ivan o Terrível Jean Cocteau Jean Epstein Jean Eustache Jean Genet Jean Mirtry Jean Vigo Jean-Paul Belmondo Jean-Pierre Léaud Jeanne Dielman Judeu Judeu Rico Judeu Süss Jung Kafka Kanal Karl May Károly Makk Katyn Kawalerowicz Ken Loach Kes Kieślowski Kluge Kracauer Kristina Söderbaum Kubrick Kuhle Wampe Kulechov Kurosawa Lacan Lars von Trier Lili Marlene Lilian Harvey Lindsay Anderson Liv Ullmann Lola Lotna Lotte Eisner Louis Malle Lubitsch Luz de Inverno Mabuse Manifesto de Oberhausen Mãos de Orlac Marguerite Duras Marika Rökk Marlene Dietrich Martha Máscara Masculino Feminino Mastroianni Max Linder Medo do Medo Méliès Melodrama Mephisto Metropolis Miklós Jancsó Misoginia Modernismo Mon Oncle Monika e o Desejo Morte Morte Cansada Mulher Murnau Na Presença de um Palhaço Nathalie Granger Nazarin Nazi-Retrô Nazismo Neo-Realismo Noite e Neblina Nosferatu Nostalgia Nouvelle Vague Nova Objetividade Nudez O Anjo Azul O Anjo Exterminador O Ano Passado em Marienbad O Direito do Mais Forte O Discreto Charme da Burguesia O Espelho O Fantasma da Liberdade O Judeu Eterno O Medo Devora a Alma O Outro O Ovo da Serpente O Prado de Bejin O Rito O Rolo Compresor e o Violinista O Rosto O Rosto no Cinema O Sacrifício O Sétimo Selo O Silêncio Orwell Os Incompreendidos Os Nibelungos Outubro Pandora Paris Texas Pasolini Pequeno Soldado Persona Philippe Garrel Picasso Pickpocket Playtime Poesia Polanski Pornografia Potemkin Praunheim Prostituta Protazanov psicanálise Pudovkin Puta Sagrada Quarto 666 Querelle Raskolnikov Realismo Realismo Poético Realismo Socialista Reinhold Schünzel Religião René Clair Renoir Resnais Revolução dos Bichos Riefenstahl Rio das Mortes Rivette Roger Vadim Romantismo Rossellini Rosto Sadomasoquismo Sarabanda Sartre Schlöndorff Schroeter Se... Sem Fim Sexo Sirk Slavoj Žižek Sokúrov Solaris Sombras Sonhos de Mulheres Stalin Stalker Sternberg Stroszek Suicídio Surrealismo Syberberg Tabu Tambor Tarkovski Tati Tempo Terrorismo Tio Krüger Trafic Trilogia da Incomunicabilidade Trilogia das Cores Trilogia do Silêncio Trotta Truffaut Último Homem Um Cão Andaluz Um Filme Para Nick Velho e Novo Veronika Voss Vertov Viridiana Visconti Wagner Wajda Wanda Jakubowska Wenders Whity Zanussi Zarah Leander Zero em Comportamento Zulawski

Minha lista de blogs

Visitantes

Flag Counter
Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-No Derivative Works 3.0 Brasil License.