Este sítio é melhor visualizado com Mozilla Firefox (resolução 1024x768/fonte Times New Roman 16)

Roberto Acioli de Oliveira

Arquivos

18 de mai de 2010

Nosferatu e Seu Herzog (II)




Herzog
se esforça em
apagar a fronteira
entre ficção e
realidade
(1)





Música das Crianças da Noite

Quando Jonathan chega ao castelo de Drácula já é quase meia noite. Durante o jantar ouvem-se uivos de lobos. O vampiro, com uma expressão que parece inspirada, chama atenção de Jonathan: "ouça, as crianças da noite fazem sua música". Nossa ignorância em relação ao universo do cinema mudo nos faz acreditar que o fundo musical que acompanha os filmes "pode ser qualquer coisa que se encaixe". F. W. Murnau, para citar um exemplo, dava muita importância à música em seus filmes. Quando montou Nosferatu, Uma Sinfonia do Horror (Nosferatu, ein Symphonie des Grauens, 1922), a música também foi utilizada para tornar visível o invisível. Luciano Berriatúa reclamou maior atenção às partituras originais dos filmes mudos, que em sua maioria chegaram até nós com trilhas sonoras não originais. Os filmes de Murnau são mudos, mas não são silenciosos! (2) Da mesma forma como não foram concebidos em preto e branco! (imagem acima, o conde Drácula lê os termos do contrato de compra do imóvel que Jonathan levou até ele; o vampiro não consegue tirar os olhos do forasteiro, que faz uma refeição e consegue até se cortar com a faca do pão; ao ver o sangue, Drácula não se contém; naquela noite Jonathan sofrerá o primeiro ataque)



A trilha musical
do Nosferatu de Herzog
não disputa espaço com
o vampiro
na tela






Em seu Nosferatu, o Vampiro da Noite (Nosferatu, Phantom Der Nacht, 1979), Herzog utilizou poucas fontes para a trilha sonora musical. O grupo de Rock Progressivo alemão Popol Vuh, - liderado por Florian Fricke que faria uma participação em O Enigma de Kaspar Hauser (Jeder für sich und Gott gegen alle, 1974) -, além de O Ouro do Reno de Richard Wagner, Sanctus de Charles Gounod e vocalizações da região do Cáucaso de Vocal Ensemble Gordela. Assim como os filmes de Herzog são rodados em variadas paisagens do mundo, a música do Popol Vuh reúne elementos de várias culturas – por exemplo, podemos ouvir uma cítara indiana, junto a um oboé europeu. (imagem acima, o vampiro se aproxima do quarto de Jonathan, na segunda noite no castelo, é a hora do segundo ataque; Nosferatu chega a beber algum sangue de Jonathan quando percebe Lucy chamando por seu marido, então Drácula recua; no filme de Murnau, Nosferatu recua ainda antes de tocar em Hutter; abaixo, o conde Drácula vê o retrato de Lucy e elogia o pescoço dela)



“Todos os meus filmes
se inspiram na dor
. Esta
é a fonte
. É daí que eles
vêm
. Não do prazer”

Werner Herzog (3)






O Vampiro que Ajudou Herzog


“Foi apenas
co
m meu filme
Nosferatu que eu senti
o solo firme sob
meus pés”

Werner
Herzog (4)



Em 1979, quando do lançamento de Nosferatu, o Vampiro da Noite, Herzog disse com todas as letras que seu filme de vampiro e terror era como que uma retomada do cinema alemão original que havia sido enterrado pelo cinema produzido durante o nazismo na Alemanha (de 1933 a 1945). Disse também que era uma retomada da estética expressionista que caracterizava aquele cinema da década de 20 (5). De fato, o claro-escuro do cinema expressionista é está onipresente no filme de Herzog. Entretanto, numa entrevista em 2006, ele esclarece que não foi necessariamente “um expressionista”. Herzog se referiu ao fato de que, no final da Segunda Guerra Mundial, os cineastas alemães não tinham os pais de seu cinema para se espelharem, então os avós foram a opção: F. W. Murnau, G. W. Pabst, Fritz Lang, etc. Herzog confessou que só veio a conhecer o Nosferatu de Murnau muito por acaso lá por 1972 – tinha então 29 anos e estava para filmar Aguirre, a Cólera dos Deuses (Aguirre, der Zorn Gottes, 1972). Foi então, disse ele, que descobriu que não estava só, que havia uma história do cinema à qual ele estava ligado (6).



Até 2006,
Herzog não havia
assistido a O Gabinete
do Dr. Caligari

e Mabuse






Herzog afirmou que sua ligação com os filmes alemães da década de vinte não é o expressionismo (que muitos identificam em seus filmes), mas a busca totalmente aberta de uma verdade interior das almas. Além disso, o cineasta é de opinião que expressionismo e cinema não foi uma casamento feliz – Herzog tem a mesma opinião em relação à surrealismo e cinema. Lotte Eisner, a especialista em cinema mudo alemão, é, nas palavras do próprio Herzog, a pessoa que foi capaz de restabelecer a ligação dele com a história do cinema de seu país. Em 1974 ela estava doente (ela faleceu em 1983), e Herzog fez uma caminhada de Munique a Paris para vê-la. (imagem acima, à esquerda, Nosferatu a caminho da cidade para encontrar Lucy; o barco navegará sozinho até lá, pois todos da tripulação serão mortos, um a um; abaixo, à direita, Herzog inseriu mais de uma vez a imagem em câmera lenta do vôo de um morcego, um detalhe que não existia na versão de Murnau em 1922, na busca de traduzir o invisível em visível)



Nosferatu
permitiu a Herzog reencontrar os avós
mortos do cinema
alemão





Seu filme, O Enigma de Kaspar Hauser, foi dedicado a ela. Em sua caminhada até Paris, Herzog fez algumas notas – que publicou em livro posteriormente. Cada vez que precisa de proteção, confessou o cineasta alemão, ele busca uma forma de entrar em contato com Lotte Eisner. As anotações, feitas anos antes do começo dos trabalhos em seu Nosferatu, o Vampiro da Noite, lhe ajudaram muito a reencontrar o seu centro durante as filmagens. (imagem acima, à direita, Jonathan assiste pela janela enquanto Drácula arruma sua "bagagem", ele vai em direção à Lucy; o ângulo da tomada, único no filme de Herzog, deixa bastante claro ao espectador que o mundo de Jonathan enlouquecendo; abaixo, Lucy, sozinha com suas premonições e pesadelos, espera por seu amado marido, vagando pelo lugar onde se apaixonaram)



“Esse filme é
sem dúvida o mais ‘concentrado’ que
eu realizei”


Werner
Herzog (7)



Notas:

Leia também:

Os Malditos de Visconti (II)

Entre o Rosto e o Corpo
Arte do Corpo: HG Giger e Seus Pesadelos

Geografia das Ausências em Yasujiro Ozu

1. NAGIB, Lúcia. Werner Herzog: o Cinema Como Realidade. São Paulo: Estação Liberdade, 1991. P. 28.
2. BERRIATÚA, Luciano. Los Provérbios Chinos de F. W.
Murnau (Etapa Alemana). Madrid: Filmoteca Española/ICAA/Ministério da Cultura, dois volumes. P. 160.
3. Werner Herzog Talks About The Making of His New Film “Nosferatu – The Vampire” (1979). Extra contido em Nosferatu, o Vampiro da Noite, lançado no Brasil pela distribuidora Versátil Home Vídeo.
4. De uma entrevista publicada no catálogo da exposição Le Cinéma Expressioniste Allemand. Splendeurs d’Une Collection. Ombres et Lumières Avant la Fin du Monde. Paris: Éditions de La Martinière, 2006.
5. Ver nota 3.
6. Ver nota 4.
7. Ver nota 4, p. 16.

Postagens populares (última semana)

Quadro de Avisos

Salvo quando indicado em algum ponto da página ou do perfil, este blog jamais foi patrocinado por ninguém e não patrocina nada (cursos, palestras, etc.) e jamais "doou" artigos para sites de "ajuda" a estudantes - seja no passado, presente ou futuro. Cuidado, não sejam enganados por ladrões da identidade alheia.

e-mail (no perfil do blog).

......

COMO CITAR ESTE BLOG: clique no título do artigo, verifique o link no alto da tela e escreva depois do nome do autor e do título: DISPONÍVEL EM: http://digite o link da página em questão ACESSO EM: dia/mês/ano

Marcadores

1984 A Bela da Tarde A Chinesa A Concha e o Clérigo A Doce Vida A Dupla Vida de Véronique A Fraternidade é Vermelha A Grande Testemunha A Hora do Lobo A Idade do Ouro A Igualdade é Branca A Infância de Ivan A Liberdade é Azul A Mãe e a Puta A Paixão de Ana A Religiosa A Rua sem Alegria A Terceira Geração A Última Etapa A Vida dos Outros Acossado Aelita Agnieszka Holland Aguirre Alain Delon Alemanha no Outono Alexander Nevsky Alexanderplatz Alphaville Alucinado Amigo Americano Amores do Faraó André Bazin Andrei Rublev Angelopoulos antipsiquiatria Antiteatro Antonioni Artaud As Favelas de Berlim Asas do Desejo Através de Um Espelho Aurora Baader Meinhof Barbara Sass Barthes Béla Balász Bergman Bertolucci Bibi Andersson Bolwieser Brecht Bresson Brigitte Bardot Buñuel Burguesia Cahiers du Cinema Caligari Carl Dreyer Carlos Saura Carmem Catherine Deneuve Cenas de um Casamento Censura Chabrol Chantal Akerman Chaplin Cineficação Cinema do Medo Cinema Livre Cinema Novo Alemão Cinema Novo Tcheco Cinemaníaco Cinzas e Diamantes Claude Lelouch Clichê Close comédia Comunismo Coração de Cristal Corpo Costa-Gavras Crítica Cubismo Da Manhã à Meia Noite Dadaísmo Decálogo Deus Dia de Festa Diabel Diferente dos Outros Disney Dorota Kędzierzawska Dostoyevski Double Bind Dovjenko Duas ou Três Coisas que Eu Sei Dela Dusseldorf Efeito Kulechov Efeitos Especiais Effi Briest Eisenstein Eric Rohmer Escola de Carteiros Escola Polonesa Espaguete Esse Obscuro Objeto do Desejo Estudante de Praga Expressionismo Fahrenheit Fanny e Alexander Fassbinder Fausto Fellini Ficção Científica Filhos da Guerra Filmes Zille Fisiognomonia Fitzcarraldo François Ozon Franju Freud Fritz Lang Gance Genuine Geração Gerhard Lamprecht Germaine Dulac Germanin Gilles Deleuze Godard Goebbels Golem Greta Garbo Griffith Gritos e Sussurros Herói Herzog Hiroshima Meu Amor História Hitchcock Hitler Hollywood Holocausto Homossexualismo Homunculus Igreja India Song Indústria Cultural Istvan Szabó Ivan o Terrível Jean Cocteau Jean Epstein Jean Eustache Jean Genet Jean Mirtry Jean Vigo Jean-Paul Belmondo Jean-Pierre Léaud Jeanne Dielman Judeu Judeu Rico Judeu Süss Jung Kafka Kanal Karl May Károly Makk Katyn Kawalerowicz Ken Loach Kes Kieślowski Kluge Kracauer Kristina Söderbaum Kubrick Kuhle Wampe Kulechov Kurosawa Lacan Lars von Trier Lili Marlene Lilian Harvey Lindsay Anderson Liv Ullmann Lola Lotna Lotte Eisner Louis Malle Lubitsch Luz de Inverno Mabuse Manifesto de Oberhausen Mãos de Orlac Marguerite Duras Marika Rökk Marlene Dietrich Martha Máscara Masculino Feminino Mastroianni Max Linder Medo do Medo Méliès Melodrama Mephisto Metropolis Miklós Jancsó Misoginia Modernismo Mon Oncle Monika e o Desejo Morte Morte Cansada Mulher Murnau Na Presença de um Palhaço Nathalie Granger Nazarin Nazi-Retrô Nazismo Neo-Realismo Noite e Neblina Nosferatu Nostalgia Nouvelle Vague Nova Objetividade Nudez O Anjo Azul O Anjo Exterminador O Ano Passado em Marienbad O Direito do Mais Forte O Discreto Charme da Burguesia O Espelho O Fantasma da Liberdade O Judeu Eterno O Medo Devora a Alma O Outro O Ovo da Serpente O Prado de Bejin O Rito O Rolo Compresor e o Violinista O Rosto O Rosto no Cinema O Sacrifício O Sétimo Selo O Silêncio Orwell Os Incompreendidos Os Nibelungos Outubro Pandora Paris Texas Pasolini Pequeno Soldado Persona Philippe Garrel Picasso Pickpocket Playtime Poesia Polanski Pornografia Potemkin Praunheim Prostituta Protazanov psicanálise Pudovkin Puta Sagrada Quarto 666 Querelle Raskolnikov Realismo Realismo Poético Realismo Socialista Reinhold Schünzel Religião René Clair Renoir Resnais Revolução dos Bichos Riefenstahl Rio das Mortes Rivette Roger Vadim Romantismo Rossellini Rosto Sadomasoquismo Sarabanda Sartre Schlöndorff Schroeter Se... Sem Fim Sexo Sirk Slavoj Žižek Sokúrov Solaris Sombras Sonhos de Mulheres Stalin Stalker Sternberg Stroszek Suicídio Surrealismo Syberberg Tabu Tambor Tarkovski Tati Tempo Terrorismo Tio Krüger Trafic Trilogia da Incomunicabilidade Trilogia das Cores Trilogia do Silêncio Trotta Truffaut Último Homem Um Cão Andaluz Um Filme Para Nick Velho e Novo Veronika Voss Vertov Viridiana Visconti Wagner Wajda Wanda Jakubowska Wenders Whity Zanussi Zarah Leander Zero em Comportamento Zulawski

Minha lista de blogs

Visitantes

Flag Counter
Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-No Derivative Works 3.0 Brasil License.