Este sítio é melhor visualizado com Mozilla Firefox (resolução 1024x768/fonte Times New Roman 16)

Roberto Acioli de Oliveira

Arquivos

9 de ago de 2008

Conexão Nibelungos: O Caso Fritz Lang (I)




“A verdadeira Alemanha
prefere muito naturalmente
a
penumbra à luz”

Lotte H. Eisner (1)




A 1ª Parte da Saga: A Morte de Siegfried

Na floresta, Siegfried aprende a arte dos ferreiros passada por Mime. Após produzir uma espada extremamente cortante, Siegfried escuta um contador de estórias sobre um reino e sua bela princesa chamada Kriemhild (ao lado). As palavras disparam a imaginação de Siegfried (abaixo), que decide sair da floresta em busca dessa princesa. Em seu palácio (acima), a princesa também escuta as palavras de um cantador sobre Siegfried – da mesma forma que ele, a imaginação dela constrói a imagem daquele herói. No caminho ele encontra Alberich, que tenta atacá-lo protegido por uma espécie de manto de invisibilidade. Nosso herói escapa e o atacante pede pela própria vida, em troca oferece a Siegfried seu manto e um tesouro.


Neste tesouro, Alberich mostra Balmung, uma espada poderosa. Imediatamente Siegfried se encanta por ela, dando pouca importância tanto ao tesouro quanto a uma lâmpada mágica de cristal que está sempre na mão de Alberich. Siegfried é atacado novamente. Desta vez ele mata Alberich, levando o tesouro e a espada. Antes de encontrar Alberich, nosso herói encontra um grande dragão e o mata com sua espada original, antes de substituí-la por Balmung (abaixo). Então escuta o canto de um passarinho e compreende a mensagem: caso Siegfried se banhe no sangue do dragão, tornar-se-à invencível. Entretanto, não percebe que uma pequena folha cai em suas costas. Isso significa que neste ponto Siegfried continua desprotegido.


Ao chegar a Worms, palácio da corte da Borgonha onde vivem o rei Gunther e sua irmã Kriemhild, Siegfried já comanda muitos príncipes. Pede a mão de Kriemhild, mas é recebido com desconfiança. Hagen Tronje, conselheiro fiel de Gunther, faz uma proposta. Siegfried deve ajudar o rei a subjugar Brunhild e trazê-la para Worms, pois Gunther deseja desposá-la. Siegfried aceita e utiliza seu manto mágico para aumentar a força do rei, que derrota Brunhild em duelo. Entretanto, Gunther é tão passivo que sequer consegue aproximar-se dela na noite de núpcias. Convoca Siegfried, que, assumindo a imagem do rei, força Brunhild a aceitar a consumação do casamento. Em seguida, sai do quarto e a deixa com Gunther.


Siegfried se casa com Kriemhild e tudo vai bem. Certo dia, Brunhild mostra um bracelete que Siegfried lhe dera e que confessou que havia tirado do braço de Brunhild quando esteve em seu quarto na noite de núpcias – a pedido de Gunther, Siegfried foi dobrar a esposa que o rei não controlava. Kriemhild revela que Siegfried havia se disfarçado de Gunther, deixando Brunhild furiosa. Injustamente ela acusa Siegfried de haver se aproveitado da situação para tirar a virgindade dela. Ela obriga o fraco Gunther a matar Siegfried. Hagen convence a pura Kriemhild a revelar o local vulnerável no corpo de Siegfried.

O rei programa uma caçada para que Hagen possa emboscar Siegfried. Uma lança que trespassa o corpo do herói, que ainda consegue caminhar até Hagen e apontar para ele na frente de todos. No velório, Brunhild se suicida e Kriemhild jura vingança contra os assassinos de seu marido.

Aqui termina a 1ª parte de Os Nibelungos. (ao lado, Siegfried se banha no sangue do dragão. Na imagem abaixo, podemos ver a folha em seu ombro esquerdo, selando o destino do herói)

Na 2ª parte (que não abordamos aqui), Fritz Lang nos mostra a vingança de Kriemhild. (imagens abaixo: acima, O castelo de Brunhild no lago de fogo com as luzes do norte; abaixo, O castelo de Brunhild no lago de fogo. Os dois esboços são de Erich Kettelhut, um dos desenhistas que trabalhou para o projeto do filme de Fritz Lang)

O que é a Alemanha?

A ópera em quatro partes O Anel dos Nibelungos (1816), de Richard Wagner, e o filme Os Nibelungos (1923-4), de Fritz Lang, seriam parte do que David J. Levin chamou de “elaboração de uma estética da identidade nacional” alemã. Estas obras perguntam: o que é a Alemanha? Após a dissolução do Sacro Império Romano, em 1806, os traços da “nação” germânica também se deterioraram (2). Ainda que se tratasse de uma multiplicidade de reinos, havia alguma unidade. Mas ainda não era uma Nação, no sentido dos Estados modernos.

Levin sustenta que Friedrich Heinrich von der Hagen, o homem que escreveu a introdução para o trabalho de Wagner, desejoso de contribuir na
batalha pela afirmação de uma legitimidade nacional alemã, pretendia transformar o Anel em narrativa cultural. Na falta de uma História política preexistente, von der Hagen lançou mão de uma estória (O Anel dos Nibelungos) para criar uma cobertura cultural. O Anel torna-se uma “pré-história da nação alemã”. Como afirmou von Hagen, trata-se da mais antiga e verdadeira História interior da Alemanha.

A partir daí, O Anel dos Nibelungos foi registrado pela pintura, poesia, balé, escultura, literatura, drama, ópera e cinema. As forças do nacionalismo alemão se apropriaram da saga de Siegfried, culminando com a mitificação dos Nibelungos pela ideologia Nacional Socialista de Hitler ao tema entre 1933 e 1945.

Segundo Levin, a posição de Kracauer não analisa a função dramatúrgica desse monumentalismo. Elsaesser também critica o argumento de Kracauer, sustentando as “exigências do prazer visual” nos filmes produzidos durante a República de Weimar. Além disso, afirma Elsaesser, muitos dos cenários foram inspirados em ilustrações de livros infantis que representavam a Idade Média (3).

Notas:

1. EISNER, Lotte H. A Tela Demoníaca. As Influências de Max Reinhardt e do Expressionismo. Tradução Lúcia Nagib. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1985. P. 47.
2. LEVIN, David J. Richard Wagner, Fritz Lang, and The Nibelungen. The Dramaturgy of Disavowal. Princeton University Press: USA, 1998. P. 7.
3. ELSAESSER, Thomas. Weimar Cinema and After. Germany’s Historical Imaginary. London: Routledge, 2000. P. 27.

Postagens populares (última semana)

Quadro de Avisos

Salvo quando indicado em algum ponto da página ou do perfil, este blog jamais foi patrocinado por ninguém e não patrocina nada (cursos, palestras, etc.) e jamais "doou" artigos para sites de "ajuda" a estudantes - seja no passado, presente ou futuro. Cuidado, não sejam enganados por ladrões da identidade alheia.

e-mail (no perfil do blog).

......

COMO CITAR ESTE BLOG: clique no título do artigo, verifique o link no alto da tela e escreva depois do nome do autor e do título: DISPONÍVEL EM: http://digite o link da página em questão ACESSO EM: dia/mês/ano

Marcadores

1984 A Bela da Tarde A Chinesa A Concha e o Clérigo A Doce Vida A Dupla Vida de Véronique A Fraternidade é Vermelha A Grande Testemunha A Hora do Lobo A Idade do Ouro A Igualdade é Branca A Infância de Ivan A Liberdade é Azul A Mãe e a Puta A Paixão de Ana A Religiosa A Rua sem Alegria A Terceira Geração A Última Etapa A Vida dos Outros Acossado Aelita Agnieszka Holland Aguirre Alain Delon Alemanha no Outono Alexander Nevsky Alexanderplatz Alphaville Alucinado Amigo Americano Amores do Faraó André Bazin Andrei Rublev Angelopoulos antipsiquiatria Antiteatro Antonioni Artaud As Favelas de Berlim Asas do Desejo Através de Um Espelho Aurora Baader Meinhof Barbara Sass Barthes Béla Balász Bergman Bertolucci Bibi Andersson Bolwieser Brecht Bresson Brigitte Bardot Buñuel Burguesia Cahiers du Cinema Caligari Carl Dreyer Carlos Saura Carmem Catherine Deneuve Cenas de um Casamento Censura Chabrol Chantal Akerman Chaplin Cineficação Cinema do Medo Cinema Livre Cinema Novo Alemão Cinema Novo Tcheco Cinemaníaco Cinzas e Diamantes Claude Lelouch Clichê Close comédia Comunismo Coração de Cristal Corpo Costa-Gavras Crítica Cubismo Da Manhã à Meia Noite Dadaísmo Decálogo Deus Dia de Festa Diabel Diferente dos Outros Disney Dorota Kędzierzawska Dostoyevski Double Bind Dovjenko Duas ou Três Coisas que Eu Sei Dela Dusseldorf Efeito Kulechov Efeitos Especiais Effi Briest Eisenstein Eric Rohmer Escola de Carteiros Escola Polonesa Espaguete Esse Obscuro Objeto do Desejo Estudante de Praga Expressionismo Fahrenheit Fanny e Alexander Fassbinder Fausto Fellini Ficção Científica Filhos da Guerra Filmes Zille Fisiognomonia Fitzcarraldo François Ozon Franju Freud Fritz Lang Gance Genuine Geração Gerhard Lamprecht Germaine Dulac Germanin Gilles Deleuze Godard Goebbels Golem Greta Garbo Griffith Gritos e Sussurros Herói Herzog Hiroshima Meu Amor História Hitchcock Hitler Hollywood Holocausto Homossexualismo Homunculus Igreja India Song Indústria Cultural Istvan Szabó Ivan o Terrível Jean Cocteau Jean Epstein Jean Eustache Jean Genet Jean Mirtry Jean Vigo Jean-Paul Belmondo Jean-Pierre Léaud Jeanne Dielman Judeu Judeu Rico Judeu Süss Jung Kafka Kanal Karl May Károly Makk Katyn Kawalerowicz Ken Loach Kes Kieślowski Kluge Kracauer Kristina Söderbaum Kubrick Kuhle Wampe Kulechov Kurosawa Lacan Lars von Trier Lili Marlene Lilian Harvey Lindsay Anderson Liv Ullmann Lola Lotna Lotte Eisner Louis Malle Lubitsch Luz de Inverno Mabuse Manifesto de Oberhausen Mãos de Orlac Marguerite Duras Marika Rökk Marlene Dietrich Martha Máscara Masculino Feminino Mastroianni Max Linder Medo do Medo Méliès Melodrama Mephisto Metropolis Miklós Jancsó Misoginia Modernismo Mon Oncle Monika e o Desejo Morte Morte Cansada Mulher Murnau Na Presença de um Palhaço Nathalie Granger Nazarin Nazi-Retrô Nazismo Neo-Realismo Noite e Neblina Nosferatu Nostalgia Nouvelle Vague Nova Objetividade Nudez O Anjo Azul O Anjo Exterminador O Ano Passado em Marienbad O Direito do Mais Forte O Discreto Charme da Burguesia O Espelho O Fantasma da Liberdade O Judeu Eterno O Medo Devora a Alma O Outro O Ovo da Serpente O Prado de Bejin O Rito O Rolo Compresor e o Violinista O Rosto O Rosto no Cinema O Sacrifício O Sétimo Selo O Silêncio Orwell Os Incompreendidos Os Nibelungos Outubro Pandora Paris Texas Pasolini Pequeno Soldado Persona Philippe Garrel Picasso Pickpocket Playtime Poesia Polanski Pornografia Potemkin Praunheim Prostituta Protazanov psicanálise Pudovkin Puta Sagrada Quarto 666 Querelle Raskolnikov Realismo Realismo Poético Realismo Socialista Reinhold Schünzel Religião René Clair Renoir Resnais Revolução dos Bichos Riefenstahl Rio das Mortes Rivette Roger Vadim Romantismo Rossellini Rosto Sadomasoquismo Sarabanda Sartre Schlöndorff Schroeter Se... Sem Fim Sexo Sirk Slavoj Žižek Sokúrov Solaris Sombras Sonhos de Mulheres Stalin Stalker Sternberg Stroszek Suicídio Surrealismo Syberberg Tabu Tambor Tarkovski Tati Tempo Terrorismo Tio Krüger Trafic Trilogia da Incomunicabilidade Trilogia das Cores Trilogia do Silêncio Trotta Truffaut Último Homem Um Cão Andaluz Um Filme Para Nick Velho e Novo Veronika Voss Vertov Viridiana Visconti Wagner Wajda Wanda Jakubowska Wenders Whity Zanussi Zarah Leander Zero em Comportamento Zulawski

Minha lista de blogs

Visitantes

Flag Counter
Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-No Derivative Works 3.0 Brasil License.