Este sítio é melhor visualizado com Mozilla Firefox (resolução 1024x768/fonte Times New Roman 16)

Roberto Acioli de Oliveira

Arquivos

2 de fev de 2010

As Mulheres de Rainer Werner Fassbinder (VIII)


“Você sabe, ela
tem o corpo
para
filmar é da maior
utilidade”


Comentário de
Fassbinder a
respeito de
Hanna Schygulla (1)




Mulher-Objeto

Em 1969, Joanna é a personagem interpretada por Hanna Schygulla, a prostituta que vive com Franz, seu cafetão e parceiro em O Amor é Mais Frio que a Morte (Liebe ist kälter als der Tod), primeiro longa-metragem de Fassbinder. Franz se recusa a colaborar com o crime organizado, que manda Bruno atrás dele para implicá-lo num roubo e forçá-lo a mudar de idéia. Franz gosta tanto de Bruno que o convida para seu apartamento e até oferece os favores sexuais de Joanna (imagem acima). No final, o assalto não dá certo, Bruno morre e Joanna confessa ao Franz que foi ela que chamou a polícia. Franz à chama de puta e o filme acaba. (imagem abaixo, à direita, Os Deuses da Peste)



Mulher é para
isso mesmo (supondo
que as mulheres sejam
só isso mesmo)





Joanna é a mulher-objeto. Além disso, explica Wallace Steadman Watson, ela está totalmente atolada em desejos burgueses. Embora o filme não suporte totalmente essa leitura, Watson sugere que possivelmente foram os sonhos burgueses dela que a levaram (irracionalmente, se ela deseja ficar com Franz) a avisar a polícia sobre o roubo do banco - em Rio das Mortes (1970), Hanna é a namorada convencional de Michael, ela só quer casar e ter filhos. A mobília do apartamento de Joanna está muito longe da classe média, ainda assim pode-se assistir a uma cena de pura paródia de vida burguesa: com os seios a mostra, ela conserta uma blusa, Franz faz palavras cruzadas e Bruno está com a metralhadora (2).

No terceiro longa-metragem de Fassbinder, Os Deuses da Peste (Götter der Pest, 1969) permanecem muitos personagens, Joanna é um deles. Como no filme anterior, Joanna trai seu homem. Se no primeiro caso, ela o faz supostamente por interesses burgueses egoístas, desta vez ela só trai depois que Franz a abandona. Joanna, que desta vez é uma cantora de cabaré, se envolve com um policial e delata Franz novamente. Como resultado, ele morre num assalto ao mercado (3).

Mulheres Também São Gente



Nada como um
bode expiatório para
nos salvar de nossas
frustrações







Em Cuidado com a Puta Sagrada (Warnung vor einer heilingen Nutte, 1970), Hanna (interpretada por Hanna Schygulla) é a estrela de um filme dentro do filme. Aos poucos ela e Ed, o outro ator principal do filme dentro do filme, vão se afastando do grupo, que se mantém em estado de tensão permanente. Enquanto Jeff, o cineasta, que representa Fassbinder, está o tempo todo em conflito com os outros membros da equipe, sua relação com Hanna é suave e inspiradora (imagem acima). Ela o escuta e encoraja, é sua musa e explica para Ed as qualidades de Jeff. Apesar dessa relação maternal entre Hanna e Jeff (o alter ego de Fassbinder), a relação entre Hanna Schygulla e Fassbinder durante as filmagens era cheia de tensão. Ele chegou a dizer que iria demiti-la, ao que todo o grupo reagiu ameaçando irem embora (4).



Um universo de
muitas frust
rações,
ciúmes e rivalidades
mau resolvidas






Em O Machão (Katzelmacher, 1969), (as duas imagens abaixo) Marie tenta dissuadir Erich a desistir de atividades ilegais oferecendo seu próprio dinheiro. Certa vez o cineasta definiu as relações dos quatro casais do filme: “Marie pertence a Erich; Paul dorme com Helga; Peter permite que Elisabeth o sustente, e Rose faz o mesmo com Franz por dinheiro”. Paul bate em Helga, por nenhuma razão aparente, em seguida tem um envolvimento homossexual, por dinheiro. Elisabeth constantemente lembra Peter que ela paga as contas e insiste que ele durma em outro quarto. Rosy fica triste com Franz porque ele contou aos outros que ela o pagava (ela insistia que o dinheiro era apenas um presente); ele se pergunta se a atividade sexual dos dois poderia “ser um pouco mais como amor”. (imagem acima, Cuidado com a Puta Sagrada)




Uma espécie de
mistura entre desamor
, dinheiro e medo





Estas oito pessoas estão constantemente brigando umas com as outras, incluindo uma guerra dos sexos onde as mulheres e os homens se reúnem em grupos isolados. Jorgos, o imigrante grego que vem trabalhar na Alemanha Ocidental de então gera reações xenófobas violentas, mas de nenhuma forma seria a causa dos problemas entre os quatro casais. Ele é apenas o catalisador, desencadeando o ciúme reprimido, as rivalidades e antagonismos, as frustrações do meio onde se inseriu. Jorgos se transforma no bode expiatório, responsabilizado e punido por problemas que não causou, mas tornou manifestos. A linguagem dos personagens da baixa classe média do sul da Alemanha é cheia de clichês sobre o amor, ordem, e acima de tudo dinheiro – que está presente na maioria das conversas e dos relacionamentos (5).


Os primeiros filmes de Fassbinder apresentam a
mulher-objeto sonhando fantasias burguesas repletas
dos objetos que o dinheiro pode comprar e do delírio
de formar uma família em
pleno vazio moral e ético

Notas:

Berlin Alexanderplatz (I), (II), (final)

1. KATZ, Robert; BERLING, Peter. O Amor é Mais Frio do que a Morte. A Vida e o Tempo de Rainer Werner Fassbinder. Tradução Carlos Sussekind. São Paulo: Editora Brasiliense, 1992. P. 19.
2. WATSON, Wallace Steadman. Understanding Rainer Werner Fassbinder: Film as Private and Public Art. USA: University of South Carolina Press, 1996. Pp. 69-70.
3. Idem, p 72.
4. Ibidem, pp. 72 e 109n19.
5. Ibidem, p. 80.

Postagens populares (última semana)

Quadro de Avisos

Salvo quando indicado em algum ponto da página ou do perfil, este blog jamais foi patrocinado por ninguém e não patrocina nada (cursos, palestras, etc.) e jamais "doou" artigos para sites de "ajuda" a estudantes - seja no passado, presente ou futuro. Cuidado, não sejam enganados por ladrões da identidade alheia.

e-mail (no perfil do blog).

......

COMO CITAR ESTE BLOG: clique no título do artigo, verifique o link no alto da tela e escreva depois do nome do autor e do título: DISPONÍVEL EM: http://digite o link da página em questão ACESSO EM: dia/mês/ano

Marcadores

1984 (4) A Bela da Tarde (5) A Chinesa (4) A Concha e o Clérigo (1) A Doce Vida (1) A Dupla Vida de Véronique (1) A Fraternidade é Vermelha (1) A Grande Testemunha (1) A Hora do Lobo (5) A Idade do Ouro (7) A Igualdade é Branca (1) A Infância de Ivan (7) A Liberdade é Azul (1) A Mãe e a Puta (3) A Paixão de Ana (3) A Religiosa (3) A Rua sem Alegria (1) A Terceira Geração (5) A Última Etapa (1) A Vida dos Outros (1) Acossado (8) Aelita (3) Agnieszka Holland (3) Aguirre (4) Alain Delon (1) Alemanha no Outono (2) Alexander Nevsky (3) Alexanderplatz (10) Alphaville (7) Alucinado (3) Amigo Americano (1) Amores do Faraó (1) André Bazin (3) Andrei Rublev (10) Angelopoulos (4) antipsiquiatria (1) Antiteatro (2) Antonioni (15) Artaud (3) As Favelas de Berlim (2) Asas do Desejo (3) Através de Um Espelho (5) Aurora (2) Baader Meinhof (11) Barbara Sass (1) Barthes (4) Béla Balász (5) Bergman (36) Bertolucci (4) Bibi Andersson (4) Bolwieser (1) Brecht (4) Bresson (10) Brigitte Bardot (5) Buñuel (22) Burguesia (14) Cahiers du Cinema (2) Caligari (18) Carl Dreyer (9) Carlos Saura (1) Carmem (1) Catherine Deneuve (3) Cenas de um Casamento (3) Censura (7) Chabrol (4) Chantal Akerman (2) Chaplin (7) Cineficação (1) Cinema do Medo (1) Cinema Livre (1) Cinema Novo Alemão (3) Cinema Novo Tcheco (1) Cinemaníaco (2) Cinzas e Diamantes (6) Claude Lelouch (1) Clichê (4) Close (31) comédia (5) Comunismo (16) Coração de Cristal (1) Corpo (16) Costa-Gavras (2) Crítica (3) Cubismo (2) Da Manhã à Meia Noite (3) Dadaísmo (1) Decálogo (2) Deus (4) Dia de Festa (2) Diabel (1) Diferente dos Outros (4) Disney (2) Dorota Kędzierzawska (1) Dostoyevski (4) Double Bind (8) Dovjenko (3) Duas ou Três Coisas que Eu Sei Dela (2) Efeito Kulechov (4) Efeitos Especiais (1) Effi Briest (2) Eisenstein (14) Emir Kusturica (1) Eric Rohmer (6) Escola Polonesa (4) Espaguete (1) Esse Obscuro Objeto do Desejo (2) Estudante de Praga (3) Expressionismo (28) Fahrenheit (2) Fanny e Alexander (6) Fassbinder (41) Fausto (4) Fellini (16) Ficção Científica (4) Filhos da Guerra (2) Filmes Zille (2) Fisiognomonia (1) Fitzcarraldo (1) Franju (1) Freud (5) Fritz Lang (25) Gance (2) Genuine (2) Geração (4) Germaine Dulac (2) Gilles Deleuze (15) Godard (39) Goebbels (10) Golem (5) Greta Garbo (1) Griffith (3) Gritos e Sussurros (11) Herói (5) Herzog (17) Hiroshima Meu Amor (5) Hitchcock (3) Hitler (30) Hollywood (39) Holocausto (7) Homossexualismo (18) Homunculus (2) Igreja (6) India Song (2) Indústria Cultural (2) Istvan Szabó (2) Ivan o Terrível (2) Jean Cocteau (6) Jean Epstein (3) Jean Eustache (4) Jean Genet (1) Jean Mirtry (1) Jean Rouch (2) Jean Vigo (1) Jean-Paul Belmondo (4) Jean-Pierre Léaud (4) Jeanne Dielman (2) Judeu (10) Judeu Rico (2) Judeu Süss (6) Jung (1) Kafka (2) Kanal (6) Karl May (1) Károly Makk (2) Katyn (1) Kawalerowicz (3) Ken Loach (2) Kes (4) Kieślowski (6) Kluge (1) Kracauer (4) Kristina Söderbaum (1) Kubrick (6) Kuhle Wampe (1) Kulechov (9) Kurosawa (3) Lacan (2) Lars von Trier (1) Lili Marlene (9) Lilian Harvey (3) Lindsay Anderson (1) Liv Ullmann (10) Lola (7) Lotna (2) Lotte Eisner (9) Louis Malle (1) Lubitsch (8) Luz de Inverno (1) Mabuse (9) Manifesto de Oberhausen (1) Mãos de Orlac (3) Marguerite Duras (5) Marika Rökk (1) Marlene Dietrich (1) Martha (9) Máscara (6) Masculino Feminino (2) Mastroianni (2) Max Linder (2) Medo do Medo (3) Méliès (2) Melodrama (6) Mephisto (1) Metropolis (7) Miklós Jancsó (1) Misoginia (3) Mon Oncle (5) Monika e o Desejo (9) Morte (5) Morte Cansada (4) Mulher (40) Murnau (19) Na Presença de um Palhaço (1) Nathalie Granger (1) Nazarin (5) Nazi-Retrô (4) Nazismo (31) Neo-Realismo (6) Noite e Neblina (3) Noli me Tangere (1) Nosferatu (14) Nostalgia (8) Nouvelle Vague (16) Nudez (10) O Anjo Azul (1) O Anjo Exterminador (3) O Ano Passado em Marienbad (1) O Direito do Mais Forte (5) O Discreto Charme da Burguesia (2) O Espelho (9) O Fantasma da Liberdade (4) O Judeu Eterno (3) O Medo Devora a Alma (4) O Outro (2) O Ovo da Serpente (1) O Prado de Bejin (2) O Rito (3) O Rolo Compresor e o Violinista (2) O Rosto (2) O Rosto no Cinema (2) O Sacrifício (7) O Sétimo Selo (9) O Silêncio (12) Orwell (5) Os Esquecidos (1) Os Incompreendidos (4) Os Nibelungos (9) Out1 (1) Outubro (2) Pandora (5) Paris Texas (4) Pasolini (12) Pequeno Soldado (5) Persona (16) Philippe Garrel (3) Picasso (3) Pickpocket (1) Playtime (4) Poesia (3) Polanski (2) Pornografia (5) Potemkin (3) Praunheim (4) Prostituta (3) Protazanov (3) psicanálise (4) Pudovkin (7) Puta Sagrada (4) Quarto 666 (1) Querelle (5) Raskolnikov (3) Realismo (4) Realismo Poético (1) Realismo Socialista (5) Reinhold Schünzel (3) Religião (5) René Clair (2) Resnais (8) Revolução dos Bichos (1) Riefenstahl (6) Rio das Mortes (1) Rivette (6) Roger Vadim (1) Romantismo (8) Rossellini (6) Rosto (20) Sadomasoquismo (4) Sarabanda (3) Sartre (1) Schlöndorff (1) Schroeter (2) Se... (1) Sem Fim (1) Sexo (9) Slavoj Žižek (1) Sokúrov (1) Solaris (9) Sombras (1) Sonhos de Mulheres (1) Stalin (6) Stalker (8) Sternberg (1) Suicídio (3) Surrealismo (11) Syberberg (3) Tabu (1) Tambor (2) Tarkovski (24) Tati (6) Tempo (8) Terrorismo (5) Tio Krüger (1) Trafic (4) Trilogia da Incomunicabilidade (1) Trilogia das Cores (1) Trilogia do Silêncio (7) Trotta (1) Truffaut (22) Último Homem (4) Um Cão Andaluz (6) Um Filme Para Nick (1) Veronika Voss (9) Vertov (7) Viridiana (8) Visconti (3) Wagner (6) Wajda (9) Wanda Jakubowska (2) Wenders (19) Whity (4) Zanussi (1) Zarah Leander (5) Zero em Comportamento (1) Zulawski (1)

Minha lista de blogs

Visitantes

Flag Counter
Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-No Derivative Works 3.0 Brasil License.